Argentina quer comprar cinco jatos da Embraer

O Ministério da Defesa da Argentina assina em outubro uma carta de intenções para participar do programa de desenvolvimento do jato militar KC-390, da Embraer, projeto de avião para transporte tático/logístico e reabastecimento em voo. O chefe de Gabinete do Ministério, Raúl Alberto Garré, afirmou que a Força Aérea Argentina (FAA) tem uma demanda inicial estimada em cinco cargueiros.

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

23 de setembro de 2010 | 11h38

?Estamos sujeitos ao resultado do ciclo de planejamento, mas calculamos que vamos precisar de mais ou menos uns cinco aviões?, disse. O primeiro plano estratégico da antiga fábrica militar, rebatizada como Fábrica de Aviões de Córdoba (Fadea), depois de sua estatização, em 2009, será apresentado no fim deste ano e contempla um período de cinco anos, a partir de 2011.

Garré disse que a Argentina quer ter uma participação ativa, como sócio de risco, na engenharia de protótipos e produção de peças e compra dos aviões. ?A nossa ideia é participar desde a origem do desenvolvimento do projeto, ser fornecedores de peças do avião e, obviamente, ser compradores?, ressaltou. Neste sentido, a carta de intenções entre os dois países será assinada entre os dias 28 e 29 do próximo mês, quando está prevista a reunião do grupo de trabalho conjunto.

Custos

Garré antecipou que os detalhes específicos sobre o peso da Argentina no projeto não serão definidos nesse documento. ?Ainda há um longo caminho para percorrer nesse assunto?, reconheceu, afirmando que ?a Embraer já pediu à Fadea o orçamento de algumas peças possíveis do novo modelo para ver se os custos de produção são compatíveis com a necessidade de desenvolvimento do projeto?.

Ainda em fase de desenvolvimento, o KC-390 vem se mostrando um grande sucesso. Além do Brasil, com interesse em 28 aviões, e da Argentina, com 5, também já anunciaram sua intenção de compra de aeronaves Portugal (6 aviões), Chile (6), Colômbia (12) e República Checa (2).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.