Arroz: produtores fazem barreira contra produto importado no RS

Porto Alegre, 25 - Produtores de arroz começaram hoje um protesto em Bagé, na fronteira sudoeste do Rio Grande do Sul, contra a falta de controle na entrada do cereal produzido no Uruguai. De acordo com o presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Estado (Federarroz), Valter Pötter, os arrozeiros devem manter uma barreira na BR 153 durante toda a noite, para reter os caminhões que chegam com arroz do Uruguai. No local, não há pesagem dos veículos, disse Pötter, pois a balança do posto de controle está desativada há três anos. Os arrozeiros pretendem encaminhar os caminhões que trafegarem pela rodovia até uma balança localizada em uma empresa na manhã desta sexta-feira. O setor entregou denúncias hoje à procuradoria da República e à promotoria estadual em Bagé, pedindo providências. Até outubro, ingressaram 600 mil toneladas de arroz do Mercosul no Brasil segundo a estatística oficial, disse Pötter. O dirigente observou, contudo, que o setor desconfia de um volume superior a este, pois há flagrantes da polícia federal em caminhões que entraram no Brasil com peso acima daquele declarado na nota fiscal. Amanhã os protestos serão reproduzidos em Barra do Quaraí e Itaqui, na fronteira com o Uruguai e Argentina. Nesta última cidade, não há balança, ressaltou Pötter. Os arrozeiros argumentam que a entrada do produto do Mercosul contribui para aviltar os preços no mercado interno. No Rio Grande do Sul, o produtor recebeu, em média, R$ 25,71 pela saca de 50 quilos na semana passada, com queda de 1,42% em relação à anterior. Segundo o presidente do Sindicato Rural de Bagé, Paulo Ricardo Dias, o arroz do Uruguai chega à cidade ao preço de R$ 24,00. "É uma tentativa de alerta à opinião pública e aos governos para a situação", afirmou Dias, sobre o protesto. O Estado é o principal produtor nacional de arroz e o plantio da safra está em andamento. Até a semana passada, havia atingido 70% da área prevista para o período 2004/05 (1,009 milhão de hectares).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.