Paulo Whitaker/Reuters - 11/01/2017
Paulo Whitaker/Reuters - 11/01/2017

Assaí tem queda no crescimento em mesmas lojas após redução do poder de compra do brasileiro

A empresa não vê “muito espaço” para o aumento de preços dos alimentos neste ano; receita avançou 8,1% na comparação com o quarto trimestre de 2020

Talita Nascimento e Luísa Laval, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2022 | 12h45

A receita líquida do Assaí evoluiu 8,1% no quarto trimestre de 2021, chegando a R$ 11,5 bilhões. O número foi puxado pela expansão da rede, responsável por alta de 11% e contrabalanceado pela queda de vendas no conceito 'mesmas-lojas' (que contabiliza apenas os estabelecimentos que já estavam abertos um ano antes) de 3,1%. Segundo a empresa, um dos motivos da redução foi aa queda no poder de compra do brasileiro, em razão do aumento da inflação. Para 2022, porém, a companhia vê um dígito médio positivo para o conceito mesmas lojas nos primeiros meses.

 A empresa explica que a queda em mesmas lojas foi impactada pela forte base de comparação do quarto trimestre de 2020, quando a rede apresentou alta de 19,4% em relação ao mesmo período de 2019. Para o presidente da companhia, Belmiro Gomes, daqui para frente, a tendência deve ser outra: "Mesmas lojas com variação negativa não é o que temos visto até agora (em 2022). Acreditamos que isso tenha sido pontual no quarto trimestre pelo efeito base do ano anterior", disse ao Broadcast.

 A empresa pontuou ainda, em seu release de resultados, que redução do poder de compra da população, decorrente do patamar de inflação elevado nos últimos dois anos e da diminuição no auxílio emergencial em relação a 2020, também contribuiu para a queda de vendas. Para Gomes, neste ano, a alta inflacionária deve ser mais amena. "Não tem muito mais espaço para (o preço dos) alimentos subir", disse.

 Ele afirma que, no conceito mesmas lojas, a rede vê tendência de alta nos primeiros meses do ano, o que ainda é menor que o reajuste da inflação, mas é um cenário bem mais positivo do que o apresentado no fim de 2021. Para ele, o aumento de vendas não é maior pois a população ainda faz trocas por marcas e categorias mais baratas devido à queda de renda e poder de compra. Até mesmo as embalagens mais leves estão na prioridade do consumidor.

“Este não é um dos resultados mais fortes do Assaí, mas dadas as circunstâncias (base difícil e um ambiente de demanda mais fraco), os vemos como resilientes e mais uma prova da força do modelo cash & carry (atacarejo)”, afirmam os analistas Richard Cathcart, João Andrade e Renan Sartorio. “Esperamos que o crescimento do SSS melhore nos próximos trimestres e, no segundo semestre, vemos um ambiente de receita mais forte, com uma base de comparação mais fácil e crescimento nominal dos salários acima da inflação pela primeira vez em muitos meses.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.