Ata repete que BC vê nível elevado de inflação

Copom afirma que alta dos preços mostra resistência, mas recomenda que política monetária seja administrada com 'cautela'; juro subiu para 7,50% ao ano na semana passada

Célia Froufe e Eduardo Cucolo, da Agência Estado,

25 de abril de 2013 | 09h13

A maior parte dos diretores do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central - que votou pela elevação da Selic de 7,25% ao ano para 7,50% na semana passada (veja gráfico abaixo) - levou em consideração o nível elevado da inflação e a dispersão de aumentos de preços, segundo a ata do Copom, divulgada nesta quinta-feira, 25. A decisão, porém, não foi unânime, já que Aldo Luiz Mendes e Luiz Awazu Pereira da Silva avaliaram que o melhor para o momento era manter a taxa básica de juros no patamar de então. Os dois diretores argumentaram que está em curso uma reavaliação do crescimento global e por isso votaram pela manutenção da taxa.

De acordo com o documento, esse nível elevado da inflação e a dispersão do aumento de preços contribuem para que a inflação mostre resistência e ensejam uma resposta da política monetária. O Comitê ponderou, porém, que incertezas internas e, principalmente, externas cercam o cenário prospectivo para a inflação e recomenda que a política monetária seja administrada com "cautela".

A ata explicou ainda que o julgamento de todos os membros do Copom é convergente no que se refere à necessidade de uma ação de política monetária destinada a neutralizar riscos que se apresentam no cenário prospectivo para a inflação, notadamente para o próximo ano.  

 

Força desinflacionária

A ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, retirou a palavra "importante" do parágrafo 27, quando cita os ativos que apresentam força desinflacionária. "Importa destacar a moderação recentemente observada na dinâmica dos preços de certos ativos reais e financeiros, que, na hipótese de permanecerem nos atuais níveis, constituirão força desinflacionária", trouxe o documento.

Na ata de março, a frase era: "Além disso, importa destacar moderação recentemente observada na dinâmica dos preços de certos ativos reais e financeiros, que, na hipótese de permanecerem nos atuais níveis, constituirão importante força desinflacionária". Embora não diga na ata, o Banco Central tem citado como exemplo desses ativos em outros meios de comunicação o câmbio e o preço de imóveis.

Naquele mesmo parágrafo, o Copom ressaltou que o cenário central do BC contempla um ritmo de atividade doméstica mais intenso neste e no próximo ano. "Nesse contexto, o Comitê destaca a estreita margem de ociosidade no mercado de trabalho, apesar dos sinais de moderação nesse mercado".

O grupo também ponderou que, em tais circunstâncias, um risco significativo é a possibilidade de concessão de aumentos de salários incompatíveis com o crescimento da produtividade e suas repercussões negativas sobre a dinâmica da inflação.

Tudo o que sabemos sobre:
inflacaojuroseliccopom

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.