Atraso de Belo Monte custará R$ 5,8 bilhões ao ano, calcula Abiape

Segundo o presidente da entidade, esse valor representa o volume de energia produzida em usinas que teriam que entrar em operação para suprir a energia não produzida em Belo Monte

Karla Mendes, da Agência Estado,

28 de junho de 2011 | 09h07

Caso a justiça acate o pedido de suspensão da licença de instalação da usina de Belo Monte, no Rio Xingu (PA), o empreendimento terá um custo extra de R$ 5,781 bilhões ao ano, ou R$ 15,84 milhões por dia. O cálculo foi feito pela Associação Brasileira dos Investidores em Autoprodução de Energia (Abiape), a pedido da Agência Estado.

Segundo Mário Luiz Menel da Cunha, presidente da entidade, esses valores representam o volume de energia produzida em usinas termelétrica que teriam que entrar em operação para suprir a energia não produzida em Belo Monte.

Ele explicou que, enquanto o custo médio da energia de Belo Monte é de R$ 100 por megawatt/hora, o das usinas termelétricas a gás é de R$ 250 por megawatt/hora. Com base nessa diferença, a entidade chegou ao custo adicional da usina multiplicando a diferença por 4.400 megawatts/médios, que é a capacidade de Belo Monte. Por essa razão, a entidade defende que não ocorram atrasos para a execução da obra, pois o País é que pagaria essa conta.

Tudo o que sabemos sobre:
Belo Monteusina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.