Atraso em obras e planejamento malfeito afeta metas da Petrobrás

Estatal prevê redução de produção de 1 milhão de barris diários de petróleo; segundo Graça Foster, com revisão das metas os objetivos estão mais realistas

Reuters,

25 de junho de 2012 | 11h40

RIO - Atrasos nas obras, planejamentos malfeitos e custos excessivos levaram a Petrobrás a rever o cronograma de entrada em operação das quatro refinarias planejadas desde a década passada para que, até 2020, o Brasil consiga autossuficiência na produção de derivados de petróleo.

Por causa da produção interna insuficiente, a companhia vem sendo obrigada, desde o ano passado, a importar combustível, para evitar o desabastecimento no mercado nacional, aquecido pela expansão do poder de consumo da população. Entre janeiro e abril deste ano, a importação média diária de barris foi de 80 mil barris.

A presidente da petroleira, Graça Foster, citou o exemplo da Refinaria Abreu e Lima (Pernambuco) ao falar de equívocos cometidos nas fases de planejamento e construção. A refinaria já era para estar funcionando desde novembro do ano passado, mas só está 55% pronta. O novo prazo, agora, é novembro de 2014. Até anteontem, era junho de 2013.

Os dados expostos por Graça na apresentação do Plano de Negócios 2012-2016 abordam o sobrepreço da Abreu e Lima, que deveria estar sendo construída em parceria com a petroleira PDVSA, estatal da Venezuela. Até hoje a companhia não incorporou-se à obra, mas o projeto conjunto continua mantido, segundo Graça.

Ao ser idealizada em 2005 pelos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Hugo Chávez, a refinaria pernambucana custaria US$ 2,3 bilhões. Se inaugurada mesmo em novembro de 2014, terá custado US$ 20,1 bilhões, conforme os números apresentados pela presidente.

"A Rnest (Refinaria do Nordeste, como foi chamada inicialmente a Abreu e Lima) é uma história a ser aprendida, escrita, lida pela companhia, de tal forma a que não seja repetida. Existe claramente um aumento significativo do investimento inicial da refinaria, do seu marco zero, em setembro de 2005. O óleo a ser refinado conta hoje com atraso de três anos. É claro, absolutamente claro, o não cumprimento integral da sistemática de aprovação de projetos neste caso específico. Uma história a ser aprendida e não repetida", disse.

Outro problema grave identificado pela nova diretoria da petroleira é a situação do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Graça proibiu a divulgação do novo prazo para a entrada em funcionamento da primeira refinaria do Comperj (o projeto prevê duas), que seria em setembro de 2014. Essa data já foi abandonada. Antes de fixar uma nova, a presidente exige a realização de estudos aprofundados.

"Quando a gente fala de Comperj, está reavaliando (...) e determinando o cronograma físico o mais preciso que se possa. (...) Se me perguntarem: quando é que entra o primeiro trem (forma como a refinaria é chamada na Petrobrás) do Comperj? Eu não deixo ninguém responder. Só depois dessa avaliação", disse.

Os atrasos e mudanças no cronogramas, que atingem ainda as refinarias Premium 1 (Maranhão) e Premium 2 (Ceará), não significam, segundo Graça, que a Petrobrás está desistindo dos projetos.

"Não se discute, vai fazer sim. Nós precisamos, sim, dessas refinarias. Todas as quatro. () As refinarias são fundamentais, mas precisam ser avaliadas. Preciso saber quanto custa, quanto que eu já fiz de físico. Físico e financeiro andam juntos. (...) Nenhum projeto foi retirado, nenhum. Não existe corte de projeto", anunciou.

O projeto da Premium 1 não será concluído antes de 2017. O novo cronograma significa um atraso em relação à data anterior. A primeira fase da unidade começaria a operar em 2016. A estatal também informou que a segunda fase do Comperj e a Premium 2 não serão inauguradas antes de 2017.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrásreajustecombustívelcomperj

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.