ATUALIZA 2-OGX muda presidência após derrocada no valor da empresa

A OGX, do bilionário Eike Batista, trocou sua presidência-executiva em meio ao duro questionamento do mercado sobre a capacidade de produção de petróleo da companhia. Em apenas dois dias, a empresa perdeu 40 por cento do valor na bolsa.

CESAR BIANCONI E JULIANA SCHINCARIOL, Reuters

29 de junho de 2012 | 00h04

O executivo Paulo Mendonça, que ocupou a presidência da OGX por apenas dois meses, será substituído por Luiz Eduardo Carneiro, que antes comandava a OSX, outra empresa de Eike.

A mudança consolida "a natural evolução da OGX para uma nova fase em que a produção adquire especial importância, sem qualquer prejuízo da continuidade da campanha exploratória", informou a companhia em fato relevante nesta quinta-feira.

Mendonça ocupará a posição de conselheiro da Presidência do Grupo EBX, holding das empresas de Eike.

Carneiro tem mais de 30 anos de experiência na indústria de petróleo e trabalhou na Petrobras, onde liderou as aéreas de exploração e produção e engenharia, entre outras.

Na terça-feira à noite, a OGX informou que a vazão de óleo nos primeiros poços perfurados pela empresa em um campo na bacia de Campos é de 5 mil barris de óleo equivalente (boe) por dia, apenas um terço do que o mercado esperava.

O comunicado foi o gatilho para uma queda acentuada das ações da OGX na Bovespa, com várias corretoras reduzindo drasticamente as projeções e a recomendação para os papéis da empresa, levantando dúvidas sobre todo o programa de crescimento da companhia.

Na quarta-feira, quando a ação da OGX caiu 25,3 por cento, a equipe de análise do Bank of America Merrill Lynch disse que o baixo nível de produção do campo de Tubarão Azul "coloca em dúvida todas as premissas por trás de todo o programa de crescimento da OGX".

Eike tentou acalmar investidores em teleconferência, citando que o grupo EBX tem 9 bilhões de dólares em caixa. Mas nesta quinta-feira houve uma nova onda de vendas da ação de sua petrolífera na bolsa, com queda de 19,2 por cento, a 5,05 reais -Itaú BBA, JPMorgan e UBS cortaram seus preços-alvo para o papel.

ESCLARECIMENTOS

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) questinou o por quê de a OGX ter optado por divulgar um comunicado ao mercado sobre sua produção em 26 de junho, e não um fato relevante -quando entende que a informação pode gerar impacto significativo no valor da empresa.

Em esclarecimento enviado à CVM, a OGX disse que não esperava a forte oscilação da cotação de suas ações com a informação sobre a produção no campo de Tubarão Azul.

"A companhia acredita que tal oscilação possa ser resultado de uma errônea interpretação do mercado, o qual teria extrapolado essa vazão para estimar a produtividade de todos os demais poços de produção planejados para os próximos anos", afirmou a OGX.

"A companhia entende equivocada a extrapolação feita pelo mercado", acrescentou.

Apesar disso, a OGX reencaminhou o documento sobre a produção do campo de Tubarão Azul à CVM, agora sob a forma de fato relevante.

Para a presidência da OSX, foi indicado o atual Diretor de Operações, Engenharia, Afretamento e Desenvolvimento da empresa, Carlos Eduardo Sardenberg Bellot, que vai acumular os dois cargos até posterior decisão.

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSOGXCEO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.