Áudios da Agência Estado analisam tendências de economia e política

Internauta tem acesso a entrevistas com fontes relevantes, autoridades do governo e prêmios Nobel

Equipe AE,

14 de outubro de 2007 | 20h29

Um dos serviços de destaque da Agência Estado, o AE Broadcast Ao Vivo comemora este mês a marca de 1.000 entrevistas e apresenta parte deste acervo para internautas do Estadão.com. Ao longo dos próximos dias, os internautas poderão acessar os áudios exclusivos de entrevistas realizadas com personalidades do mundo econômico e financeiro. Desde sua criação, os clientes da Agência Estado acompanham diariamente, nos 15 mil terminais da empresa, as análises de fatos que acabaram de ser divulgados e as avaliações dos cenários de médio e longo prazo feitas por personalidades dos cenários nacional e mundial. As entrevistas abrem espaço a dirigentes com poder de decisão na economia, nas finanças e na política. Formadores de opinião, técnicos e analistas do mercado financeiros, lideranças do agronegócio e do mundo corporativo falam sobre os temas mais relevantes do momento. Fontes de informações relevantes e autoridades governamentais são presença obrigatória num produto como o AE Broadcast. Em cinco anos de existência, foram entrevistados os dirigentes do Banco Central, os ministros da Fazenda e os presidentes de estatais, de bancos e de companhias privadas de peso na economia brasileira e nas bolsas de valores. Lideranças dos segmentos financeiro e corporativo, como os presidentes da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) e da Federação Brasileira das Associações de Bancos (Febraban) estão entre os entrevistados. O debate de idéias também tem lugar especial no AE Broadcast Ao Vivo. Economistas de renome no cenário mundial, como Paul Krugman e Noriel Roubini, foram ouvidos, assim como os prêmios Nobel Harry Markowitz, Joseph Stiglitz e Robert Shiller. No cenário nacional, houve destaque para os grandes nomes da análise econômica brasileira, da academia e do mercado, como Delfim Netto, José Roberto Mendonça de Barros, Gustavo Franco, José Márcio Camargo, Ilan Goldfajn, Armínio Fraga e Luiz Fernando Figueiredo. Momento oportuno e análise objetiva pautam o serviço. Logo após o Brasil ter recebido a última melhora na nota de classificação de risco pela agência Standard and Poor’s, por exemplo, a diretora da agência concedeu uma entrevista em primeira mão para o serviço. No escândalo do Mensalão, o presidente da CPI, senador Delcídio Amaral, chegou a atrasar por alguns minutos o início de uma das sessões. Ele estava avaliando os rumos das investigações ao vivo no AE Broadcast – uma entrevista acompanhada não apenas por investidores, mas também nos gabinetes políticos que usam o sistema da Agência Estado em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.