Autoridade brasileira dirigir FMI seria 'ideia boa', diz FMI

'Isso não é só possível, como poderá ser o caso no futuro', diz o diretor-gerente do Fundo

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

25 de maio de 2010 | 14h03

O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, afirmou que é "uma ideia muito boa" ver uma autoridade brasileira dirigindo uma instituição de peso internacional como o FMI. "Isso não é só possível, como poderá ser o caso no futuro", afirmou, embora tenha ressaltado que a instituição tem muitos países membros e diversos deles poderão se candidatar à sua liderança.

Kahn destacou que hoje o Brasil está desenvolvendo dois papéis importantes no mundo. "Um deles é o econômico, pois o Brasil, como país emergente, tem um papel crescente", comentou. Kahn participou hoje do 6º Fórum Globonews, em São Paulo.

Questionado pelo Grupo Estado sobre se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva  seria um bom nome para o cargo, Strauss-Kahn respondeu com bom humor. "Eu não acredito que ele postule essa posição."

Um outro papel é a liderança política, dado que o presidente Lula ganhou grande expressão internacional nos últimos dois anos, especialmente junto ao G-20, a partir da deflagração da crise financeira internacional. Kahn ressaltou que a liderança desempenhada por Lula partiu da confiança que o presidente desfruta em nível mundial, o que está relacionado com a sua personalidade. Nos meios políticos, analistas internacionais apontam que Lula possui um perfil conciliador que estimula o diálogo e toma decisões com grande dose de bom senso. 

Tudo o que sabemos sobre:
FMIBrasilStrauss-Kahn

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.