Avicultor de SC demonstra apoio à fusão Sadia-Perdigão

O Sindicato de Criadores de Aves do Estado de Santa Catarina (Sincravesc) manifestou seu apoio à fusão de Sadia e Perdigão, que criou a BRF Brasil Foods. Por meio de nota à imprensa, o presidente do sindicato, Waldemar Kowaleski, disse ser favorável ao adiamento do julgamento da operação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), pois "considera importante que as empresas e o órgão continuem buscando uma solução que, ao mesmo tempo, preserve a livre concorrência e evite a reprovação total do negócio."

SUZANA INHESTA, Agencia Estado

17 de junho de 2011 | 18h32

Segundo o executivo, o Sindicato, juntamente com o Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarnes) e a Associação Catarinense de Avicultura (Acav), formam um comitê de acompanhamento da avicultura catarinense com agenda bimensal, que vem discutindo melhorias na remuneração dos valores pagos por lote e nas relações entre empresas e integrados. "Há ainda diversos pleitos pendentes, mas já é possível perceber avanços, como o reajuste obtido no ano passado junto à Sadia", ressaltou Kowaleski. "Por este motivo, o Sincravesc entende que uma mudança drástica no cenário atual traria imensos prejuízos às negociações já em curso e aos avanços obtidos, além de trazer de volta a incerteza e a instabilidade às atividades dos produtores de aves", completou.

O adiamento do julgamento da fusão Sadia-Perdigão foi pedido pelo conselheiro do Cade, Ricardo Ruiz, a pedido das partes, na última quarta-feira. Na sessão anterior, do último dia 8, o conselheiro relator do caso no Cade, Carlos Ragazzo, votou contra a efetivação do negócio e na sequencia, Ruiz pediu vista dos autos. A BRF então tem 30 dias para apresentar uma nova proposta de acordo para o negócio - a primeira foi considerada "leve" por Ragazzo e, segundo ele, incluía até "itens ridículos."

Tudo o que sabemos sobre:
aviculturaBRFSadiaPerdigãoCade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.