BRENDAN MCDERMID | REUTERS
BRENDAN MCDERMID | REUTERS

Avon planeja cortar 2,5 mil vagas e transferir sede

Segundo a companhia, o ajuste vai custar cerca de US$ 60 milhões no primeiro trimestre, mas, até 2017, a empresa espera economizar cerca de US$ 70 milhões em função dos cortes.

Agências internacionais

15 de março de 2016 | 09h34

A Avon, que se desfez das operações na América do Norte no fim do ano passado, planeja cortar 2,5 mil colaboradores e transferir a sede da empresa de Nova York para o Reino Unido. O objetivo é reduzir os custos da empresa de cosméticos. “Com a recente conclusão da venda, nossas operações comerciais estão agora completamente fora dos Estados Unidos, o que nos permite repensar completamente o modelo de negócios”, disse, em nota, Sheri McCoy, presidente da Avon. 

Segundo a companhia, o ajuste vai custar cerca de US$ 60 milhões no primeiro trimestre, mas, até 2017, a empresa espera economizar cerca de US$ 70 milhões em função dos cortes.

A decisão segue a venda dos negócios nos Estados Unidos para o fundo americano Cerberus Capital Management, que comprou o controle da divisão. Com o negócio, anunciado em dezembro, o Cerberus ficou uma participação de 16,6% na companhia, além de 80,1% de seus negócios na América do Norte. O valor da transação, que lançou uma tábua de salvação à fabricante de cosméticos, foi de US$ 605 milhões.

Acordo. Pela fatia, o Cerberus investirá US$ 435 milhões na participação na Avon, o que acabou avaliando a empresa pioneira em vendas diretas em cerca de US$ 2,6 bilhões. Além disso, o fundo de hedge sediado em Nova York pagou US$ 170 milhões para comprar as operações da Avon na América do Norte, que correspondeu a cerca de 14% da receita total da companhia no último trimestre.

O acordo entre Cerberus e Avon veio após investidores liderados pelo fundo de investimento Barington Capital terem proposto uma reestruturação da empresa de cosméticos, enquanto alertavam sobre rumores da venda da unidade norte-americana para o Cerberus. O Barington também fez campanha para a saída da presidente executiva da Avon.

A unidade da Avon na América do Norte será separada em uma empresa privada que assumirá cerca de US$ 230 milhões da dívida de longo prazo da companhia. A Avon deterá 19,9% da nova empresa. À época, Sheri McCoy, afirmou que a separação seria a melhor maneira de garantir o crescimento da companhia. 

Mais conteúdo sobre:
AvonEstados UnidosEmprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.