Azul prevê ter certificado para voar em seis meses

O vice-presidente operacional daAzul Linhas Aéreas Brasileiras SA, nova companhia criada pelanorte-americana JetBlue no Brasil, Miguel Dau, deu entradanesta quinta-feira no pedido de autorização para o início deoperação da companhia. Segundo ele, em no máximo seis meses o Certificado deHomologação de Empresas de Transporte Aéreo (Cheta) deveráficar pronto. "A certificação será mais rápida porque vamos operar comaviões brasileiros e zero quilômetro, não precisamosnacionalizar nada, ganhamos aí uns dois meses em relação aoutros processos", disse o executivo após dar entrada nodocumento na sede da agência reguladora do setor, a Anac. Os três primeiros aviões da empresa, todos Embraer 195,serão entregues em dezembro, segundo Dau, e o início dasoperações está previsto para os primeiros meses de 2009. A sededa empresa deverá ser em São Paulo e até o final do ano 400funcionários serão contratados. Mesmo antes de decolar, o representante da novata do setorjá demonstra preocupação com a alta do petróleo e o reflexo noquerosene de aviação, que no ano já acumula alta de 19,9 porcento. "É algo preocupante, cada vez mais o conceito 'low cost'tem que ser um dogma das empresas aéreas, mas isso não mudará aestratégia da empresa", afirmou Dau. Segundo anúncios feitos anteriormente, a Azul seguirá oesquema inaugurado pela Gol no Brasil, de baixas tarifas ecustos, mas terá um serviço de bordo mais elaborado. "Nossaempresa não terá barra de cereal, será "snack" e grelhados",afirmou. Ele informou ainda que a Azul vai operar em rotasalternativas, buscando nichos ainda pouco explorado pelasmaiores, e portanto ficarão de fora da ponte aérea Rio-SãoPaulo, onde segundo Dau não existem 'slots' (espaços para pousoe decolagem) disponíveis. (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier; Edição de CláudiaPires)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.