BAE Systems cortará até 3.000 postos de trabalho

A BAE Systems cortará até 3.000 postos de trabalho na Grã-Bretanha por causa da menor demanda por jatos de combate, anunciou o maior empresa de produtos militares da Europa.

REUTERS

27 de setembro de 2011 | 07h44

Maior produtora britânica, a companhia explicou que os quatro países parceiros no programa Eurofighter Typhoon (Reino Unido, Alemanha, Itália e Espanha) estão diminuindo a produção por conta de pressão sobre o orçamento.

Fabricantes de armas se preparam mundialmente para mais cortes nos gastos com defesa em parte por causa do teto da dívida dos Estados Unidos, o maior mercado de armas.

"A pressão sobre o orçamento de defesa dos Estados Unidos e a mudança em programas de alto nível significam que o aumento previsto na produção de F-35 será mais lento do que se pensava, o que novamente impacta na nossa força de trabalho", afirmou a BAE em comunicado nesta terça-feira.

Os últimos números mostram que o desemprego cresceu no maior ritmo em dois anos, para 7,9 por cento da força de trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:
AEREASBAEEMPREGOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.