Banco Central Europeu está satisfeito com as negociações da cúpula

Líderes europeus concordaram em reduzir as regras para o acesso aos fundos de resgate da região; discussões continuam nesta sexta-feira

Danielle Chaves, da Agência Estado,

29 de junho de 2012 | 08h43

BRUXELAS - O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, afirmou estar muito satisfeito com as negociações realizadas durante a reunião de cúpula da União Europeia. "Estou muito satisfeito com as discussões de ontem. Vamos continuar hoje", declarou Draghi a caminho do encontro desta sexta-feira.

Durante negociações que entraram na madrugada, os líderes europeus concordaram em reduzir as regras para o acesso aos fundos de resgate da região, assim que um órgão supervisor bancário for estabelecido. Os líderes também conversaram sobre medidas futuras para aprofundar a integração econômica na zona do euro. 

Alemanha

O acordo dos líderes europeus para permitir um uso mais flexível dos fundos de resgate europeus não introduz uma nova era de "algo por nada", afirmou a chanceler da Alemanha, Angela Merkel.

Ao chegar para o segundo dia de reuniões com outros líderes europeus, Merkel disse que, embora a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) e o Mecanismo de Estabilidade Europeu (ESM) poderão canalizar recursos diretamente para os bancos, em vez de passar pelos governos, eles agora precisarão de aprovação unânime dos governos da zona do euro para isso.

"Em cada caso precisará haver uma decisão unânime quanto à possibilidade de o ESM recapitalizar diretamente um banco", declarou Merkel. "Com relação a isso nós mantivemos totalmente nosso plano atual: uma coisa em troca de outra - condicionalidade e supervisão - e eu acho que fizemos algo importante", acrescentou.

Os comentários da chanceler sugerem que as regras sobre os resgates bancários serão levemente mais rígidas do que as originalmente elaboradas para o ESM, que previam apenas empréstimos para governos. A atual estrutura do ESM permite que ele faça empréstimos com uma maioria de 85% de votos favoráveis se a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) considerarem que a estabilidade financeira da zona do euro está sob risco.

Apesar das declarações firmes de Merkel, o acordo fechado nesta madrugada representa grandes concessões por parte da Alemanha, que anteriormente resistia a qualquer tentativa de tornar os fundos diretamente disponíveis para os bancos.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, levará uma delegação do governo para Roma, na Itália, na próxima quarta-feira, para conversar com o primeiro-ministro italiano, Mario Monti, e seu gabinete. A reunião faz parte de uma rotina de consultas entre a Alemanha e a Itália, mas terá mais importância em razão do acordo que está sendo finalizado durante a cúpula da União Europeia. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
união europeiacúpulacrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.