Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Banco do Brasil segue como líder de renda fixa no ano

Segundo pesquisa da Anbima, até novembro, a instituição originou R$ 13,4 bilhões em debêntures e notas promissórias

Aline Bronzati, da Agência Estado,

20 de dezembro de 2011 | 15h11

SÃO PAULO - A liderança do ranking de emissões de renda fixa em 2011 até novembro permaneceu nas mãos do Banco do Brasil, de acordo com relatório da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima). No período de referência, o banco originou R$ 13,4 bilhões em papéis como debêntures e notas promissórias, mesma cifra alcançada em outubro último. No entanto, a participação do banco passou para 20% até novembro contra uma fatia de 22,2% vista em outubro.

Houve uma troca nas segunda e terceira colocações, acirrando ainda mais a disputa entre os três primeiros colocados no ranking de renda fixa. Itaú BBA avançou para o segundo posto, com R$ 13,2 bilhões, enquanto o Bradesco BBI caiu para terceiro, com volume de R$ 12,9 bilhões.

Na análise do número de operações originadas, também houve mudança de cadeiras. Itaú BBA assumiu a liderança com 89 operações. O Bradesco BBI trabalhou como coordenador em 84, seguido pelo BB com 48.

Renda variável

A posição dos três primeiros colocados no ranking de emissões em renda variável permaneceu estável até novembro na comparação com o resultado visto até outubro, pois não houve nenhuma operação. O Itaú BBA seguiu como líder, originando R$ 5 bilhões em operações com renda variável, o equivalente a 32% das emissões do período. Em seguida, permaneceram o BTG Pactual, com R$ 3,2 bilhões (21%) e Credit Suisse, com R$ 2 bilhões (12,7%).

Captações externas

O Banco JPMorgan aparece em primeiro lugar no ranking de instituições líderes coordenadoras de operações de emissões externas brasileiras, públicas e privadas, até novembro de 2011. No período, o banco coordenou US$ 15,475 bilhões em operações de emissões externas brasileiras.

Em segundo lugar está o Banco HSBC, com US$ 14,675 bilhões em operações de captação externa, seguido pelo Banco Itaú BBA (US$ 13,731 bilhões), pelo Santander (R$ 12,350 bilhões) e pelo Citigroup (US$ 11,462 bilhões).

Considerando-se operações de emissões brasileiras feitas no exterior nos últimos 12 meses, o HSBC ocupa o primeiro lugar no ranking de instituição líder coordenadora da Anbima, tendo coordenado US$ 15,669 bilhões operações. Em segundo lugar está o JPMorgan (US$ 15,475 bilhões), em terceiro lugar o Itaú BBA (US$ 14,081 bilhões), seguidos pelos bancos Santander (US$ 13,694 bilhões) e Citigroup (US$ 11,462 bilhões).

No ranking de co-líderes da Anbima, o Banco Votorantim e o Banco do Brasil dividem a liderança no período de 12 meses, cada um com US$ 251,17 milhões em operações conduzidas.

Tudo o que sabemos sobre:
banco do brasilemissõesrenda fixa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.