Banco do Nordeste terá de devolver R$ 67 milhões à Oi

Determinação é de que a devolução deve ocorrer no prazo de 24 horas após a intimação, sob pena de multa diária de R$ 1 milhão

Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

21 Julho 2016 | 05h00

RIO - O juiz Fernando Viana, responsável pelo processo de recuperação judicial da Oi, decidiu nesta quarta-feira, 20, que o Banco do Nordeste do Brasil (BNB) deve devolver R$ 67,7 milhões à tele. Desse montante, R$ 20,83 milhões teriam sido retidos indevidamente pelo banco da Oi Móvel e outros R$ 46,87 milhões resgatados de um CDB (Certificado de Depósito Bancário), também em nome da subsidiária.

O Broadcast, notícias em tempo real do Grupo Estado, antecipou que a operadora tinha recorrido à Justiça contra o BNB. O magistrado determinou que a devolução deve ocorrer no prazo de 24 horas após a intimação, sob pena de multa diária de R$ 1 milhão. Procurado, o BNB não se posicionou até o fechamento desta edição.

A penalidade é válida tanto para a retenção dos R$ 20,83 milhões quanto para o resgate dos R$ 46,87 milhões. Ou seja, em caso de descumprimento, a multa diária vai a R$ 2 milhões. Também foi decidido que não devem ser feitas novas retenções.

O BNB tem R$ 127 milhões a receber da companhia. A operadora entrou com o pedido de recuperação judicial em 20 de junho. No dia seguinte, conseguiu a suspensão de ações e execuções por 180 dias. O imbróglio aconteceu logo depois.

As subsidiárias Oi Móvel e Telemar, também em recuperação judicial, têm contratos com o BNB. No dia 23, a instituição teria retido inicialmente R$ 3,8 milhões, referentes aos pagamentos de faturas pelos clientes das empresas em 20 e 21 de junho. Os recursos deveriam ter sido depositados, o que não ocorreu.

A Oi solicitou o valor retido, mas a liberação não ocorreu e ainda foram feitas novas retenções, totalizando R$ 20,83 milhões. Em 21 de junho, o BNB resgatou antecipadamente o CDB de R$ 46,8 milhões.

Entendimentos. O Ministério Público se posicionou a favor do banco, sob a alegação de que o crédito do BNB seria garantido por cessão fiduciária, mecanismo que não é submetido à recuperação judicial. O juiz, por sua vez, entendeu que as ações do BNB foram indevidas. Viana afirmou que no contrato em discussão não há negócio fiduciário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.