Banco Mundial aumenta previsão de crescimento da China

Última análise prevê taxa de 11,3%; anteriormente, previsão era de 10,4%

Efe,

12 de setembro de 2007 | 04h35

O crescimento da China, quarta maior economia do planeta, baterá um novo recorde, chegando a 11,3% em 2007, segundo a última análise do Banco Mundial (Bird), que anteriormente previa para este ano uma taxa de 10,4%. A China registrou um recorde de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), com 11,5% no primeiro semestre, o maior em 12 anos. Em dezembro, o governo chinês anunciou que pretendia conter o aumento e crescer apenas 8%. O Bird prevê, no entanto, que o crescimento da economia chinesa baixe para 10,8% em 2008. O saldo no balanço de pagamentos vai aumentar para 12% do PIB este ano. Este é o principal desafio macroeconômico para os políticos chineses, opinaram os analistas do Banco Mundial, numa entrevista coletiva em Pequim. "O crescente superávit comercial não parece ser afetado pelas medidas para conter o crescimento das exportações" e está contribuindo para as altas de preços, afirmaram nesta quarta-feira o economista-chefe do Bird na China, Louis Kuijs, e o diretor da unidade, Bert Hofman. O superávit comercial chinês nos oito primeiros meses do ano foi de US$ 161,76 bilhões. O Bird prevê que este ano as exportações chinesas aumentem 22,8% e as importações, 18,2%. Em agosto, a inflação alcançou na China o índice mais alto da última década, com uma alta de 6,5%, segundo dados do Escritório Nacional de Estatísticas publicados na terça-feira. Em 2006, o PIB cresceu 11,1%, segundo estatísticas oficiais, apesar dos esforços do governo para conter o crescimento da principal economia emergente do planeta. A inflação se situou em 1,5%.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinacrescimentoBanco Mundial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.