Banco RBS negocia sair da proteção estatal antecipadamente, diz ‘FT’

Executivo-chefe do banco, Stephen Hester, vinha dizendo que 2012 era o momento mais cedo possível para uma saída do programa

Danielle Chaves, da Agência Estado,

21 de janeiro de 2011 | 10h26

O Royal Bank of Scotland Group está trabalhando com autoridades do Tesouro do Reino Unido para encontrar meios de o banco fazer uma saída antecipada do custoso Programa de Proteção de Ativos, informou o Financial Times, citando duas pessoas envolvidas nas discussões. Às 10h12 (de Brasília), as ações do RBS subiam 7,02% na Bolsa de Londres.

As fontes disseram que o RBS poderia sair do programa - que foi criado para fornecer suporte do governo para uma carteira original de 280 bilhões de libras (US$ 445 bilhões) em ativos ruins ou de alto risco - até o fim deste ano. O executivo-chefe do banco, Stephen Hester, vinha dizendo que 2012 era o momento mais cedo possível para uma saída do programa, de acordo com co FT.

Se decidir sair do programa antes de janeiro de 2012, o RBS poderá economizar 100 milhões de libras em taxas que paga ao Estado, além de ganhar certa independência do governo. O banco, no qual o Reino Unido tem 84% de participação, entrou no programa em 2009, para se proteger contra ativos tóxicos depois que a crise financeira global revelou profundos problemas na parte do ABN Amro que havia sido adquirida no fim de 2007.

Pelas regras do programa estatal, o RBS tem de pagar uma taxa de 700 milhões de libras por ano para cobrir o seguro fornecido pelo governo, por um tempo indeterminado, mas com limite cumulativo mínimo de 2,5 bilhões de libras. Até agora, o banco pagou 1,4 bilhão de libras pelos períodos de 2009 e 2010 e neste mês pagará outros 700 milhões de libras pelo ano de 2011, o que elevará o total pago para 2,1 bilhões de libras.

Se sair do programa neste ano, o banco terá de pagar as 400 milhões de libras restantes para atingir o valor mínimo exigido pelo contrato. Mas se adiar a decisão para depois de janeiro de 2012 terá de pagar um prêmio pelo ano de 2012 e, mesmo que a taxa diminua para 500 milhões de libras, o total cumulativo somaria 2,6 bilhões de libras, 100 milhões de libras a mais do que o exigido contratualmente. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
RBSReino UnidoprogramaFT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.