Bancos da América Latina podem lidar com piora na economia, diz Moody’s

Agência diz, no entanto, que 'expectativas para as condições fundamentais de crédito dos sistemas bancários da América Latina para os próximos 12 meses são predominantemente estáveis'

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

16 de dezembro de 2011 | 07h54

Os bancos da América Latina são capazes de lidar com a deterioração na economia mundial, pois possuem amplas reservas de capital e uma forte capacidade de geração de lucros, mas não escapariam dos impactos negativos provocados por uma piora significativa nas condições financeiras globais, de acordo com um relatório divulgado pela agência de classificação de risco Moody's.

"A deterioração na dinâmica global pode afetar o desempenho dos bancos da região, principalmente se o crescimento desacelerar acentuadamente e as condições de financiamento enfraquecerem", afirma a agência.

Em termos gerais, porém, "nossas expectativas para as condições fundamentais de crédito dos sistemas bancários da América Latina para os próximos 12 meses são predominantemente estáveis" e mudanças de rating "serão seletivas e resultado principalmente de condições idiossincráticas".

Segundo a Moody's, os bancos latino-americanos demonstraram estabilidade nos últimos anos, ao contrário de outras grandes instituições financeiras globais, que sofreram sucessivos rebaixamentos em seus ratings desde a crise de 2008. "Como resultado, alguns bancos do Chile e do Brasil estão hoje entre os melhores avaliados no universo dos bancos avaliados pela Moody's."

Parte desse prestígio é resultado da capacidade de geração de lucros robusta, amparada pelo número crescente de tomadores de empréstimo e por tarifas e spreads bancários razoavelmente altos. Os bancos da região também possuem amplas reservas de capital para contornar perdas com empréstimos, o que lhes permite suportar tensões significativas.

Outra característica particularmente positiva dos bancos da América Latina "é o perfil de financiamento, amplamente composto por depósitos domésticos e baratos que os tornam menos vulneráveis à atual volatilidade nos mercados globais", diz a Moody's.

A agência acredita que o desempenho dos bancos continuará saudável nos próximos meses, influenciado por condições favoráveis, como as pressões inflacionárias reduzidas e as políticas monetárias frouxas ou neutras. 

Tudo o que sabemos sobre:
bancosMoody's

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.