Bancos dos EUA têm o maior lucro desde início de 2007

No terceiro trimestre do ano, instituições registraram ganho de US$ 35,3 bilhões, valor 49% superior ao registrado no mesmo período do ano anterior

Regina Cardeal, da Agência Estado,

22 de novembro de 2011 | 14h05

Os bancos dos EUA registraram seu mais alto lucro trimestral em mais de quatro anos no terceiro trimestre, mas a atividade de empréstimo cresceu apenas levemente, num sinal de que o setor está gradualmente se recuperando da crise financeira.

Em seu relatório trimestral, a Federal Deposit Insurance Corp (FDIC), agência que garante os depósitos nos bancos dos EUA, informou que os 7.436 bancos e instituições de poupança tiveram lucro líquido de US$ 35,3 bilhões, um aumento de quase 49% em relação aos US$ 23,8 bilhões do mesmo trimestre de um ano antes. Foi o nono trimestre seguido de lucratividade do setor.

A necessidade de destinar menos dinheiro para cobrir eventuais calotes contribuiu para o bom resultado mais do que a atividade de novos empréstimos. As provisões para perdas caíram 47%, ou US$ 16,5 bilhões, em relação ao mesmo trimestre de um ano antes, para US$ 18,6 bilhões.

"O avanço nos lucros do setor foi quase inteiramente dependente da redução nas provisões para perdas", disse Martin Gruenberg, chairman interino da agência, destacando que o crescimento futuro do setor depende da atividade de novos empréstimo, que ficou estável.

Os empréstimos cresceram apenas levemente, 0,3%, sobre o trimestre anterior. O aumento, o segundo consecutivo, foi liderado pela alta de 3,6% nos empréstimos comerciais.

"Após três anos de encolhimento nas carteiras de crédito, qualquer crescimento dos empréstimos é positivo para o setor e para a economia", disse Gruenberg. "Mas o crescimento que estamos vendo continua bem abaixo dos níveis normais."

A FDIC informou que 844 instituições estavam na lista "problema" no fim de setembro, abaixo das 865 em junho. Foi a primeira vez que a lista diminuiu desde o terceiro trimestre de 2006.

No período julho a setembro, 26 bancos entraram em colapso, quatro a mais do que no segundo trimestre deste ano, mas 15 a menos do que no mesmo trimestre de um ano atrás. Os recursos que a agência usa para cobrir o custo de instituições fracassadas subiram para US$ 7,8 bilhões no fim de setembro, de US$ 3,9 bilhões no fim de junho.

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSEUALUCROTRIMESTRE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.