Bancos se reúnem em Roma para discutir dívida da Grécia, dizem fontes

Grupo de representantes do setor bancário se encontra com diretor-gerente do Instituto de Finanças Internacionais e com presidente do Comitê Econômico e Financeiro da zona do euro

Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de junho de 2011 | 08h32

Um grupo de representantes de bancos de todo o mundo se reuniu em Roma nesta manhã para discutir a crise de dívida da Grécia com Charles Dallara, diretor-gerente do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), e Vittorio Grilli, presidente do Comitê Econômico e Financeiro da zona do euro, segundo pessoas próximas ao assunto.

Após o encontro os participantes se dirigiram a uma reunião separada com o Tesouro Italiano, do qual Grilli é vice-presidente. Uma fonte do Tesouro afirmou que a reunião é uma "troca de opiniões" e disse que não haverá um comunicado oficial ou uma entrevista à imprensa no fim das conversas.

A convocação do encontro em Roma, no escritório do Intesa Sanpaolo - o maior banco da Itália em ativos -, foi uma conveniência lógica e poderia ter ocorrido em qualquer lugar. Os representantes de bancos presentes nas discussões de hoje não são executivos-chefes, também de acordo com fontes.

Autoridades europeias vêm defendendo a ideia de pressionar os bancos a rolarem voluntariamente uma boa parte da dívida grega que possuem. No entanto, o Banco Central Europeu (BCE), que possui um grande montante de bônus gregos em consequência do suporte de liquidez que ofereceu à zona do euro no último ano - é contrário a um chamado "evento de crédito".

Quando era executivo do Tesouro dos EUA há duas décadas, Dallara foi crucial na elaboração dos "Brady bonds" - um instrumento financeiro que ajudou os bancos norte-americanos a reduzirem sua exposição à dívida da América Latina. O IIF é um grupo com sede em Washington, EUA, que compreende mais de 400 bancos e instituições financeiras de todo o mundo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciazona do euroIFI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.