Baosteel aumentará investimentos no exterior

O Baosteel Group, maior companhia siderúrgica chinesa, planeja acelerar investimentos no exterior para aproveitar os preços mais baixos de ativos estrangeiros. O grupo também poderá investir em projetos de processamento de aço na Europa, disse um executivo nesta sexta-feira. "Nós identificamos alguns lugares na Europa, incluindo a Espanha", disse Liu An, chefe dos projetos externos da Baosteel, à Reuters. O Baosteel Group, que controla a Baoshan Iron and Steel, listada na bolsa de Xangai, focará em projetos tais como processamento de aço laminado, disse. Liu disse que é difícil dizer quando os novos projetos serão anunciados."A preparação para projetos no exterior levam mais tempo que investir em casa", disse ele. A companhia também tem uma joint-venture de placas de aço no Brasil com a mineradora Vale Devido à depreciação do real, a Baosteel poderá ter economizado até 30 por cento em custos do projeto em relação a cálculos feitos em agosto. Entretanto, a construção do projeto poderá ser atrasada por pelo menos seis meses, pois o governo local pediu à Baosteel que mudasse o empreendimento para 80 quilômetros ao sul do local original, em Anchieta (ES), devido a razões ambientais. "O governo estadual brasileiro pediu que mudássemos de localização e isso vai minar nosso progresso", disse ele. "A razão dada é que não existe suporte ambiental suficiente." "Estamos explorando todos os tipos de medidas e estamos em negociação com o governo local, inclusive tentando persuadi-los a deixar que fiquemos em Anchieta", disse Liu. "Fizemos muitos estudos e realizamos muitos trabalhos. O investimento inicial será desperdiçado se nos mudarmos", afirmou o executivo. Ele estimou o investimento inicial em dezenas de milhões de dólares. O projeto de placas de aço no Estado terá 5 milhões de toneladas de capacidade anual que será destinada principalmente para exportação. Sob o cronograma original, a construção da planta deveria começar em setembro de 2009 e as obras devem levar três anos para serem completadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.