Barril de petróleo fecha em US$ 98,03 e bate novo recorde

O preço do barril do petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) subiu hoje 3,6%, fechando a preço Recorde de US$ 98,03, em um dia em que a moeda americana atingiu um novo valor mínimo frente ao euro e à espera de novos dados sobre reservas de cru nos Estados Unidos.Ao término da sessão regular na Bolsa Mercantil de Nova York (NYMEX), os contratos de WTI para entrega em janeiro registravam alta de US$ 3,39 e deixavam para trás o recorde de fechamento de US$96,70, que havia sido registrado no último dia 6.    Na última hora de negociações, o preço do WTI chegou a subir até US$ 98,30.A escalada no preço do petróleo esteve apoiada também pela forte tendência de alta dos preços da gasolina e do gasóleo de calefação e contribuiu para que este último combustível fechasse também comrecorde. Os contratos de gasóleo para entrega em dezembro avançaram pouco mais de US$ 0,08 e ficaram a US$ 2,6901 por galão (3,7 litros). Os contratos da gasolina para esse mesmo mês terminaram o pregão cotados a US$ 2,4515 o galão, US$ 0,07 acima do registrado no dia anterior.O preço dos contratos de gás natural para entrega em dezembro contrariou os outros indicadores e fechou em baixa, a US$ 7,47 por mil pés cúbicos, US$ 0,31 abaixo do valor de segunda-feira.O preço do WTI manteve hoje uma firme tendência de alta, pelo terceiro pregão consecutivo e em um dia em que a moeda americana perdia de novo terreno para o euro e outras divisas, o que estimula o investimento em matérias-primas como ouro e petróleo.Além disso, um dólar mais frágil tende a aumentar a demanda de petróleo por parte de países com uma divisa fortalecida, reiteravam hoje analistas.    Os operadores do mercado nova-iorquino estão à espera de que o Departamento de Energia americano divulgue na quata-feira os dados de reservas de petróleo e de combustíveis na última semana nos EUA, o que pode definir o rumo dos preços nos próximos dias.   

EFE,

20 de novembro de 2007 | 22h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.