Divulgação
Divulgação

Bauducco vai produzir panetones em Miami

Fabricante de panetones vai inaugurar, no ano que vem, a 1ª fábrica da empresa fora de território brasileiro; localizada em Miami, a unidade vai produzir, inicialmente, waffer e panetones para abastecer, além do mercado americano, o Canadá e Porto Rico

NAIANA OSCAR , O Estado de S. Paulo

30 de junho de 2015 | 21h10

A fabricante de panetones e biscoitos Bauducco vai inaugurar, no ano que vem, uma fábrica nos Estados Unidos - a primeira da empresa de Guarulhos (SP) fora de território brasileiro. Localizada em Miami, a unidade vai produzir, inicialmente, waffer e panetones para abastecer, além do mercado americano, o Canadá e Porto Rico. 

A pedra fundamental da unidade americana foi lançada há uma semana, numa cerimônia que contou com a presença dos executivos da Bauducco Luis Perez-Codina e Stefano Mozzi, e do cônsul do Brasil em Miami, Hélio Vitor Ramos Filho. As obras já começaram. Avessa à divulgação de maiores informações sobre sua operação, a empresa não deu detalhes do investimento nem informou em que mês a unidade deve entrar em funcionamento.

 

Fundada por um imigrante italiano há 69 anos, a Bauducco pertence ao grupo Pandurata, que também detém as marcas Visconti e Tommy. O grupo possui ainda uma joint-venture com a americana Hershey’s no País. A empresa tem cinco fábricas, com capacidade de produzir 200 mil toneladas de alimentos por ano. Por aqui, ela lidera com folga a venda de panetones, com participação de mercado de 47%. Nos Estados Unidos, onde atua há mais de 40 anos com produtos importados, a marca Bauducco responde por 54% do segmento de panetones, segundo informou a própria companhia. 

Questionada sobre o que levou a empresa a abrir uma fábrica nos EUA, a assessoria de imprensa do grupo afirmou que “em 2005, abriu uma operação dedicada em Miami e a fábrica é uma resposta ao bom resultado que vem alcançado naquele mercado”.

Em 2013, a família Bauducco, que controla a companhia, chegou a colocar uma fatia do negócio à venda para um sócio estratégico e também cogitou uma abertura de capital - planos que não se concretizaram. Na época, o mercado avaliou a empresa em cerca de R$ 3 bilhões. 

No início deste ano, a empresa começou a selecionar franqueados para a rede Casa Bauducco, uma mistura de cafeteria e empório, onde são comercializados os produtos premium da marca. As primeiras lojas próprias foram abertas em 2012, chegando a cinco unidades no início deste ano. A meta é chegar a 50 lojas até 2017.

Tudo o que sabemos sobre:
bauduccoeUAnegócios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.