BC da Itália aprova indicação de Visco para presidência

Economista foi indicado pelo primeiro-ministro Silvio Berlusconi; o atual presidente da instituição, Mario Draghi, assumirá a presidência do BC europeu no próximo mês

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

24 de outubro de 2011 | 14h37

O comitê de governança do Banco da Itália deu um veredicto positivo sobre a indicação de Ignazio Visco, pelo primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, para a presidência do Banco Central do país, afirmou um fonte com conhecimento do assunto. O atual presidente da autoridade monetária, Mario Draghi, deixará o cargo no próximo mês para assumir a presidência do Banco Central Europeu (BCE), no lugar do francês Jean-Claude Trichet.

Os 13 membros do "conselho superior" do Banco Central aprovaram, em votação unânime, a indicação de Visco. De acordo com a lei da Itália, a seleção do presidente do Banco Central segue um processo de três fases: o governo indica um candidato, o comitê do BC dá sua opinião e o chefe de Estado ratifica então a indicação.

A escolha de Visco foi uma surpresa porque ele não estava entre os favoritos ao posto. Por meses, eram vistos três candidatos principais: o vice-presidente do BC italiano, Fabrizio Saccomanni, o diretor-geral do Tesouro, Vittorio Grilli, e o membro do conselho executivo do BCE Lorenzo Bini Smaghi, que a França espera que sairá do cargo quando Draghi assumir a presidência da instituição.

A Itália recebeu neste ano o apoio da França para indicação de Draghi para a presidência do BCE em troca da promessa que Smaghi cederia a vaga no conselho a um francês. Mas nada nas regras do BCE exige a saída de Smaghi e ele tem sido reservado sobre suas objeções a pressões políticas.

Visco, de 61 anos, foi economista-chefe da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e um funcionário de longa data do Banco Central da Itália, atuando mais recentemente como vice-diretor-geral da autoridade monetária.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.