BC inglês prevê mais compras de bônus no Reino Unido

A libra caiu fortemente após as declarações de uma autoridade do BOE

Danielle Chaves, da Agência Estado,

28 de setembro de 2010 | 11h08

O membro do Comitê de Política Monetária do Banco da Inglaterra (BOE) Adam Posen afirmou que vê um claro cenário para implementação de mais compras de ativos no Reino Unido, para evitar um período prolongado de fraco desempenho econômico como ocorreu com o Japão. A libra caiu fortemente após as declarações de Posen e, às 10h35 (de Brasília), recuava para US$ 1,5760, de US$ 1,5826 no fim da tarde de ontem.

Em um discurso para empresários na Inglaterra, Posen afirmou acreditar que qualquer estímulo adicional deveria começar com compras de bônus do governo do Reino Unido, os gilts. No entanto, o BOE deveria coordenar um plano B com o Tesouro britânico, para decidir quais ativos do setor privado deveria adquirir no caso de as compras de gilts não serem um estímulo suficiente.

"Para o Reino Unido, pelo menos, eu acredito que o caso é claro e consistente com o cumprimento da nossa meta de inflação no futuro", disse Posen. "Na verdade, na falta de mais estímulo monetário, eu espero que a inflação do Reino Unido fique bem abaixo da meta em 2012 e 2013, talvez reforçando o persistentemente lento crescimento da produção, como no Japão nos anos 1990", acrescentou.

Ao alertar para a possibilidade de mais compras de ativos não serem suficientes para alcançar uma recuperação sustentada da economia, Posen observou que mais estímulos fiscais podem ser necessários. Mas a autoridade reconheceu que tal ação seria determinada pelas condições de dívida e disse que esse cenário é improvável se estímulos imediatos forem implementados.

Quando cortou a taxa básica de juros para a mínima recorde de 0,5% em março do ano passado, o BOE iniciou um programa de compra de ativos sem precedente, de 200 bilhões de libras, com dinheiro novo criado pelo banco central - o chamado afrouxamento quantitativo. Em fevereiro o programa foi suspenso, mas o BOE vem destacando que ele pode ser estendido se as condições se deteriorarem.

A ata da reunião do BOE de setembro, divulgada na semana passada, mostrou que vários membros do comitê de política monetária veem uma maior probabilidade de estímulos adicionais serem necessários.

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
BOEReino Unidocriselibra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.