BC não descarta novas medidas contra crise internacional

Segundo Tombini, crises demandam respostas rápidas, abrangentes e mensagens harmônicas e claras das autoridades

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

31 de outubro de 2011 | 15h10

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, ressaltou que apesar de serem positivos as recentes notícias vindas da Europa de busca de soluções para os problemas econômicos da região, o mundo hoje passa por um cenário complexo, que deverá repercutir em baixo crescimento das economias avançadas nos próximos anos.

"O Banco Central do Brasil continuará vigilante aos desdobramentos do cenário internacional, adotando, sempre que necessário, medidas para assegurar a solidez do nosso sistema financeiro e a funcionalidade dos nossos mercados", destacou, em palestra num evento promovido pela ABBI em São Paulo.

Segundo Tombini, crises demandam respostas rápidas, abrangentes e mensagens harmônicas e claras das autoridades, referindo-se aos problemas da economia internacional.

"Vemos como promissoras as iniciativas recentes de coordenação dos lideres europeus na busca por soluções aos problemas que afligem a região e alimentam o cenário de pessimismo. Contudo, sabemos que soluções para as crises de sobreendividamento apresentam consequências que se estendem ao longo do tempo. Por isso, o cenário para os próximos anos é de baixo crescimento para as economias maduras e de adiamento da normalização das condições monetárias de economias avançadas", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.