BC refaz contas e vê que banco público irá liderar crédito no ano

Previsão de crescimento da carteira das instituições financeiras estatais subiu de 20% para 24% neste ano

Fernando Nakagawa e Fabio Graner, da Agência Estado,

22 de setembro de 2010 | 12h29

O Banco Central refez as contas e passou a prever que os bancos públicos devem, novamente, liderar a expansão do crédito em 2010. Projeções divulgadas nesta quarta-feira pela instituição mostram que a previsão de crescimento da carteira das instituições financeiras estatais subiu de 20% para 24% neste ano.

Ao mesmo tempo, foi revisada para baixo a expectativa de expansão da carteira de crédito das instituições financeiras privadas nacionais, de 24% para 22%. Dessa forma, os bancos privados nacionais, que liderariam o mercado até a previsão anterior, foram ultrapassados pelos públicos.

Ao mesmo tempo, a previsão do BC para o crescimento das carteiras de crédito das instituições estrangeiras cresceu expressivamente, de 9% para 14%. Durante a crise financeira, os bancos estrangeiros foram os que mais contraíram a oferta de crédito pela falta de liquidez nos mercados internacionais. Com o aumento da aversão ao risco, essas instituições cortaram a oferta de crédito nas sedes e também nas subsidiárias. No Brasil, essa retração foi compensada pela ação mais forte dos bancos públicos.

"A evolução dos últimos meses influenciou nessa reavaliação porque o ritmo (nos privados nacionais) foi menor que previsto", explica o chefe-adjunto do Departamento Econômico do BC, Túlio Maciel, ao comentar que a aceleração ou retração na oferta de empréstimos "depende da dinâmica operacional dos bancos". Maciel minimizou a retração da previsão para o crédito nas instituições privadas nacionais. "Mesmo assim, cresce a 22% no ano, é um ritmo acelerado", explica.

Ao ser questionado pelos jornalistas, Maciel não descartou que a aceleração dos bancos públicos pode ser resultado da oferta de crédito direcionado - via BNDES por exemplo - e da maior participação de micro e pequenas empresas - segmentos em que as instituições públicas têm peso relevante. O chefe-adjunto também minimizou o fato de públicos novamente liderarem o crédito em detrimento dos privados nacionais. "O crescimento de nenhum deles compromete os outros", afirmou. 

Tudo o que sabemos sobre:
créditoBanco Centralbancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.