Bernanke abre as portas para venda gradual de ativos

Segundo presidente do BC americano, Fed quer voltar a ter carteira composta apenas por Treasuries no longo prazo

Danielle Chaves, da Agência Estado,

25 de março de 2010 | 15h44

O presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, afirmou em uma audiência no Comitê de Serviços Financeiro da Câmara dos Representantes dos EUA esperar que o banco central norte-americano gradualmente venda o grande montante de ativos de seu balanço financeiro, conforme a economia norte-americana continuar melhorando.

 

Segundo Bernanke, o Fed gostaria de voltar a ter uma carteira composta apenas por Treasuries no longo prazo. Como deixar que a dívida hipotecária comprada pelo Fed simplesmente vença não fará o serviço suficientemente rápido, Bernanke prevê "um processo gradual" de venda de ativos "em algum momento".

 

"Em algum momento nós teremos um processo de vendas gradual", disse Bernanke. Essa foi uma leve mudança com relação ao testemunho preparado para o mesmo comitê no dia 10 de fevereiro, quando Bernanke afirmou que não previa qualquer venda no futuro próximo.

 

Para combater a pior crise financeira desde a Grande Depressão, o Fed cortou as taxas de juros de curto prazo para perto de zero em dezembro de 2008. Quando essa medida não foi suficiente, o banco central implementou um conjunto de empréstimos emergenciais e programas de compra de ativos de longo prazo para manter as taxas de longo prazo baixas. O Fed deverá concluir a compra de US$ 1,25 trilhão em títulos lastreados em hipotecas até o fim deste mês.

 

Questionado sobre os acontecimentos incomuns no mercado de bônus, no qual alguns níveis de empréstimos corporativos caíram abaixo dos seguros Treasuries, Bernanke disse que provavelmente isso é uma questão de oferta. Vendas muito grandes de Treasuries "pressionam os compradores normais dessa dívida" e isso provavelmente explica o que está acontecendo, disse. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FedTreasuriesativosBernanke

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.