Bernanke diz que mundo não pode ficar na mão das empresas 'grandes demais para falir'

Para ele, deveria haver uma forma de reduzir o tamanho das empresas financeiras em processo de falência e que criam risco sistêmico

Nalu Fernandes, da Agência Estado,

20 de março de 2010 | 11h25

O presidente do Federal Reserve (o BC norte-americano), Ben Bernanke, afirmou que os legisladores precisam abordar a questão das empresas financeiras "grandes demais para falir". Em uma conferência na Flórida neste sábado (20), Bernanke classificou o problema como uma barreira "perniciosa" e "insidiosa" à competição. "É inadmissível que o destino da economia mundial deveria estar ligado à sorte de um número relativamente pequeno de gigantes financeiras", disse o chairman.

 

Bernanke ponderou que a existência de empresas grandes, que ofereçam risco sistêmico, distorceu a competição na indústria de serviços financeiros, sugerindo que o atual ambiente de mercado "fica substancialmente atrás" quando a questão é competição aberta. "Ter instituições muito grandes para falir também cria injustiça competitiva que pode evitar que prosperem empresas mais produtivas e inovadoras".

 

Para o presidente do Fed, os legisladores deveriam criar uma forma de reduzir o tamanho das empresas financeiras que estejam em processo de falência e que sejam consideradas de risco sistêmico. Os congressistas norte-americanos estão no processo de avaliação de uma legislação para regulação do mercado financeiro, e

Bernanke avalia que é central ter uma agência para lidar com grandes empresas que tenham problemas.

 

"Uma agência de resolução não deveria ter permissão para proteger acionistas e deveria ter uma autoridade clara para impor perdas a detentores de dívida, anular contratos e substituir gerentes e diretores, conforme apropriado", afirmou.

 

Entre as ideias sugeridas, Bernanke citou a adoção de um "testamento vivo" para empresas que ofereçam risco sistêmico, exigindo o desenvolvimento de um plano que pudesse oferecer diretrizes aos reguladores para ir reduzindo gradualmente o tamanho das empresas se casos de estresses se tornarem muito intensos.

 

Bernanke também aproveitou a oportunidade para enfatizar que o banco central deveria manter a supervisão de bancos comunitários. Um projeto do senador Christopher Dodd, do Partido Democrata, iria mover parte da supervisão que o Fed faz destes bancos para a agência independente Federal Deposit Insurance Corp . "O Fed sempre teve um relacionamento especial com bancos comunitários", disse o presidente do Fed.

 

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.