Bernanke não sinaliza mudanças na política monetária

Presidente do BC dos EUA assegurou que o Fed vai manter uma postura flexível diante de uma perspectiva econômica 'anormalmente incerta'

Renato Martins, da, Agência Estado

21 de julho de 2010 | 15h25

O presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, sinalizou que não há medidas iminentes para fomentar a recuperação da economia dos EUA, apesar de uma "perspectiva bastante mais fraca" de crescimento. Em seu informe semestral sobre as condições da economia e a política monetária do Fed ao Comitê Bancário do Senado, Bernanke assegurou que o Fed vai manter uma postura flexível diante de uma perspectiva econômica "anormalmente incerta".

Para o presidente do Fed, ainda que a instituição continue a fazer planos para uma eventual saída de sua posição ultra-acomodatícia, "nós permanecemos preparados para adotar medidas de política à medida que isso seja necessário para fomentar um retorno à plena utilização do potencial produtivo de nosso país, num contexto de estabilidade dos preços".

Bernanke disse que a recuperação da economia prossegue num "ritmo moderado", com a expectativa de que a demanda por parte de indivíduos e empresas ajude a contrabalançar o impacto do estímulo fiscal, que está terminando, e uma desaceleração na recomposição dos estoques.

Segundo o presidente do Fed, embora a inflação de uma forma geral tenha mostrado volatilidade, o núcleo dos preços tem mostrado uma tendência de baixa ao longo dos últimos dois anos. Bernanke acrescentou que ele mesmo e os demais dirigentes do Fed "esperamos crescimento moderado contínuo, um declínio gradual na taxa de desemprego e inflação contida ao longo de vários anos".

O presidente do Fed não fez nenhuma sugestão de que medidas adicionais de estímulo ao crescimento econômico sejam necessárias e reiterou declarações feitas ao longo do último ano, de que o Fed planeja manter as taxas de juro de curto prazo em níveis recorde de baixa "por um período prolongado", mas reiterou que o Fed precisará apertar a política monetária "em algum momento".

Falando sobre a estratégia de saída do Fed, ele disse que, ao invés de elevar a taxa dos Fed Funds, o Fed deverá passar a pagar mais aos bancos que mantenham reservas, de modo a reduzir a liquidez. Num prazo mais longo, o Fed planeja reduzir seu balanço patrimonial a níveis mais normais. Para isso, Bernanke disse que o Fed poderá reinvestir recursos na compra de títulos do Tesouro de prazos mais curtos, mas ressalvou que nenhuma decisão sobre isso foi tomada.

Pelo menos um senador discordou do presidente do Fed. O presidente do Comitê, Chris Dodd (Partido Democrata-Connecticut) perguntou o que o Fed poderia fazer para expandir a produção e o emprego. "Parece que nossa economia precisa de ajuda adicional", disse o senador. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.