Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Bernardo: '? poss?vel' que novas medidas saiam amanh?

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse hoje que ? poss?vel que amanh?, na reuni?o do presidente Luiz In?cio Lula da Silva com empres?rios, sejam divulgadas novas medidas para minimizar os efeitos da crise financeira internacional. Segundo ele, as medidas ainda n?o est?o fechadas, mas o foco delas ser? "pessoas, emprego e renda".De acordo com Paulo Bernardo, a melhor forma de manter o emprego e a renda ? fazer com que as empresas funcionem e o governo, segundo ele, vai dar apoio ao cr?dito. Ele contou que perguntou ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, sobre a proposta das centrais sindicais de corrigir a tabela do Imposto de Renda Pessoa F?sica (IRPF) com base na infla??o, porcentual acima de 4,5% que j? est? previsto. Segundo Bernardo, Mantega disse que o governo n?o decidiu e n?o tem resposta sobre o pedido das centrais. "Temos o compromisso de reajustar a tabela em 4,5%, mas o pessoal est? reclamando porque a infla??o foi maior. N?o tem resposta ainda. Ela deve sair nos pr?ximos dias", disse.O ministro disse que ainda n?o h? decis?o sobre a redu??o da al?quota do Imposto sobre Opera??es Financeira (IOF) e evitou fazer coment?rios sobre a medida em estudo de redu??o tempor?ria do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre autom?veis. "Eu n?o vou me manifestar sobre isso. Mas, o que n?s tivermos condi??es de fazer para amenizar um eventual aumento do desemprego, que efetivamente n?o aconteceu, vamos fazer. O importante ? que estamos preocupados com os efeitos da crise e vamos minimiz?-los", disse.Sinais clarosO ministro do Planejamento disse tamb?m que a economia brasileira vai precisar de muitos sinais claros para minimizar os efeitos da crise. "E o governo vai dar todos os sinais", disse o ministro ao deixar o Minist?rio da Fazenda, onde se reuniu com o ministro Mantega. Segundo Paulo Bernardo, a pol?tica monet?ria se insere entre esses sinais. "O Copom (Comit? de Pol?tica Monet?ria do Banco Central) est? reunido e eles v?o dar algum sinal. Eu ? que n?o quero dar nenhum sinal agora", disse ele, esquivando-se de comentar a decis?o do Copom sobre a taxa b?sica de juros, a Selic, que ser? anunciada esta noite.O ministro avaliou que a crise no Brasil tem influ?ncia "psicol?gica" e trouxe p?nico ao sistema com a parada do cr?dito. Ele disse que essa interrup??o do cr?dito n?o tem nenhuma raz?o diante do quadro econ?mico brasileiro. Segundo ele, as sinaliza??es que o governo precisa dar ? de que segue acreditando que a economia do Pa?s tem fundamentos bons e condi??es de manter a produ??o e o crescimento no ano que vem.Paulo Bernardo disse que o Banco Central tem feito um excelente trabalho, mantendo a infla??o controlada. Mas ponderou que, at? setembro, a "luta" que havia era contra uma demanda que estava muito acelerada. "O resultado do PIB (Produto Interno Bruto) mostrou isso. O consumo das fam?lias estava crescendo bastante e o BC se preocupava em n?o deixar que a infla??o afetasse os neg?cios nas empresas e corroesse a renda. Hoje temos uma situa??o diferente da de setembro", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.