BG faz oferta hostil de US$13,1 bi por Origin Energy

A produtora britânica de gásBG Group lançou uma oferta hostil de aquisição da australianaOrigin Energy por 13,1 bilhões de dólares, enquanto buscaampliar sua posição no mercado de gás asiático que atravessarápido crescimento. A BG está levando sua oferta de 13,8 bilhões de dólaresaustralianos, toda em dinheiro, direito para os acionistas daOrigin, depois que o conselho da companhia rejeitou na semanapassada a proposta que avalia a empresa a 15,50 dólaresaustralianos por ação. A Origin afirmou na ocasião que suas reservas de gás decarvão sozinhas valem mais de 15 bilhões de dólares depois quedobrou sua estimativa de reservas para 10 mil petajoules. As ações da Origin, que saltaram mais de 85 por cento esteano, subiram 6,2 por cento nesta terça-feira, para um recordede 16,48 dólares australianos por ação, indicando que osinvestidores esperam uma oferta maior. Se bem sucedido, um acordo será a segunda maior aquisiçãoestrangeira de uma companhia australiana depois que a mexicanaCemex, maior produtora de cimentos da América do Norte, comprouo Rinker Group por 14,2 bilhões de dólares no ano passado. A BG informou que a oferta, que representa um ágio de 48por cento sobre o fechamento da ação da Origin em 29 de abril--quando a proposta foi anunciada pela primeira vez--, refleteo valor dos negócios integrados de energia da Origin e asperspectivas de longo prazo das reservas de gás obtido a partirde carvão. "Não é surpresa a BG ter lançado uma oferta hostil. É umaoferta muito generosa e eu creio que alguns acionistas podemser tentados e podem decidir apenas aceitar o dinheiro", disseGavin Wendt, diretor de pesquisa na Fat Propheus FundsManagement. A BG, terceira maior produtora de petróleo e gás natural doReino Unido, quer as vastas reservas de gás da Origin naAustrália para alimentar um projeto de gás natural liquefeitona costa leste do país.

FAYEN WONG, REUTERS

24 de junho de 2008 | 08h24

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIABGORIGIN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.