BHP corta 6 mil empregos e fecha mina gigante de níquel

Estratégia da maior mineradora do mundo foi decidida diante do colapso dos preços das commodities

James Regan, da Reuters,

21 de janeiro de 2009 | 08h22

A BHP Billiton cortará 6 mil empregos e fechará sua mina gigante de níquel de Ravensthorpe, na Austrália, sofrendo uma baixa contábil de US$ 1,6 bilhão. A estratégia foi decidida diante do colapso dos preços das commodities.  Veja também:Desemprego, a terceira fase da crise financeira global De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  Até agora, a maior mineradora do mundo tinha conseguido ficar a parte da crise, mantendo sua produção. Até o mês passado, a BHP tinha dito que as vendas em volumes estavam se mantendo, apesar das dificuldades enfrentadas pela economia global.  Mas conforme ficou cada vez mais aparente que não há solução rápida para a queda nos preços das commodities, a BHP acabou sendo forçada a fazer o que resistiu por algum tempo: fechar minas e cortar empregos.  "Claramente, o balanço deles está numa posição respeitável. Mas eles não são imunes ao ambiente dos preços das commodities que estamos vendo e o resultado vai sofrer", disse Neil Boyd-Clark, do Fortis Investment Partners.  O vice-presidente financeiro da BHP, Alex Vanselow, alertou nesta quarta-feira que mais minas podem ser fechadas dada as incertezas nos preços das commodities. As minas de produção de carvão metalúrgico já estão escaladas para reduzir o volume produzido entre 10 e 15%.  "O mundo mudou bastante desde outubro. Foi uma mudança muito profunda e dramática", disse Vanselow.  A BHP informou que está cortando cerca de 6 mil empregos no total, com cerca de 70% relacionados a trabalhadores temporários de suas minas.  A rival Rio Tinto já está eliminando 14 mil empregos, a Vale cortou 1.300 e colocou outros 5.500 funcionários em licença remunerada. Outras mineradoras também alertaram que empregos estão em risco.  Além dos 2.100 funcionários cortados na mina de níquel, a BHP vai eliminar outros 4 mil empregos da força de trabalho de 101 mil postos da companhia, informou Vanselow.  A mina de Ravensthorpe, que começou a produzir em 2007 com atraso de nove meses, custou 2,2 bilhões de dólares para ser construída e é uma das maiores instalações de produção de níquel do mundo.  A produção entre janeiro e junho seria de 7 mil toneladas contra 2 mil toneladas nos seis meses encerrados em dezembro. A BHP havia informado em outubro passado que a mina levaria pelo menos dois anos para atingir capacidade total de 50 mil toneladas anuais.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraBHPEmpresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.