Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Bilionário saudita vira sócio do Twitter

O príncipe saudita Alwaleed bin Talal comprou participação acionária de US$ 300 milhões no microblog Twitter

Reuters,

19 de dezembro de 2011 | 22h48

DUBAI - O bilionário príncipe saudita Alwaleed bin Talal, que investe em algumas das maiores empresas do mundo, revelou ter adquirido participação acionária de US$ 300 milhões no microblog Twitter, o que aumenta sua influência no setor de mídia.

Alwaleed, sobrinho do rei saudita e detentor de uma fortuna pessoal avaliada em US$ 20 bilhões pela revista Forbes, detém participação de 7% na News Corp e quer criar um canal a cabo de notícias.

A participação no Twitter, adquirida em sociedade por Alwaleed e sua companhia de investimento Kingdom Holding Co, resultou de "meses de negociações". As ações da companhia subiram em 5,7% na abertura do pregão saudita, o que expressa a aprovação dos investidores a uma transação em um setor visto como de alto crescimento.

Se for aplicada avaliação de mercado de alguns analistas para o Twitter, de US$ 8 bilhões, o investimento de Alwaleed e da Kingdom equivaleria a uma participação de 3,75% no site.

"Nos últimos anos, o príncipe Alwaleed está se esforçando para ampliar sua presença nos setores de telecomunicações e tecnologia", disse Hesham Tuffaha, vice-presidente de gestão de ativos no Bakheet Investment Group, em Riad. "Um dos poucos setores a registrar crescimento significativo de receita nos últimos três anos foi o de tecnologia, o que explica que a Kingdom tenha escolhido o Twitter."

Informação. O uso do Twitter ajudou na disseminação de informações na "Primavera Árabe", a série de revoltas que abalou o Oriente Médio e o norte da África este ano. A Arábia Saudita conseguiu controlar os primeiros indícios de insatisfação entre seus habitantes ao anunciar um pacote de US$ 130 bilhões em gastos sociais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.