Biocombustíveis: governo usará pólo para ?blindar? pesquisas

Ribeirão Preto, 5 - O governo federal irá usar o Pólo Nacional de Biocombustíveis para "blindar" as pesquisas do setor, que serão, como a proposta inicial, centralizadas na sede entidade, provisoriamente na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), em Piracicaba (SP). A decisão ocorre após os acontecimentos da última semana envolvendo pesquisas do biodiesel, com trocas de acusações de roubo de propriedade intelectual, ameaças e tentativas de homicídio entre membros do Laboratório de Desenvolvimento de Tecnologias Limpas (Ladetel) da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto (SP), da Dedini e da MB do Brasil Consultoria em Biodiesel. O Ministério da Agricultura avaliou que essa polêmica poderia comprometer as negociações internacionais para a troca de tecnologia do combustível e ainda os investimentos que o Japão deve fazer no próprio Pólo Nacional de Biocombustíveis. O ministro Roberto Rodrigues, que terá uma reunião sobre esses investimentos provavelmente amanhã, irá anunciar, na próxima semana, a liberação de R$ 100 mil ao Pólo. O dinheiro será utilizado para um levantamento sobre todas as pesquisas envolvendo biocombustíveis no País e ainda para a realização de um workshop sobre o tema, em dezembro. O anúncio da liberação da verba será feito justamente na sede do Pólo Nacional de Biocombustíveis, na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), para onde Rodrigues transferirá seu gabinete e despachará nos próximos dias 14 e 15. Além do Ministério da Agricultura, o centro receberá investimentos do Ministério da Ciência e Tecnologia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.