BlackRock tem grande fatia de ações de Petrobras e Vale

A união entre BlackRock e Barclays Global Investors fez a gestora de recursos norte-americana assumir uma posição relevante no capital de empresas brasileiras do porte de Petrobras, Vale, AmBev e Cyrela.

REUTERS

15 de dezembro de 2009 | 20h40

De acordo com fatos relevantes encaminhados à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta terça-feira, a BlackRock passou a deter cerca de 6,16 por cento do capital preferencial da Petrobras graças à fusão com a Barclays Global Investors em 1o de dezembro.

No caso da Vale, a fatia da BlackRock chega a 9,49 por cento do total de ações preferenciais da mineradora.

Na cervejaria AmBev, a participação é de 5,49 por cento nas ações sem direito a voto, enquanto na construtora Cyrela a BlackRock possui 6,16 por cento das ações ordinárias. Na varejista Lojas Renner, a fatia da BlackRock é de 7,39 por cento do capital.

Em todos os comunicados, a BlackRock informa que o objetivo das participações societárias é estritamente de investimento, "não objetivando alteração do controle acionário ou da estrutura administrativa".

A BlackRock anunciou em junho a compra da Barclays Global Investors para criar a maior gestora de recursos do mundo, em um acordo de 13,5 bilhões de dólares.

O negócio em dinheiro e ações deixou o banco britânico Barclays com uma participação de cerca de 20 por cento na BlackRock e com dois lugares no Conselho de um grupo maior batizado de BlackRock Global Investors.

A Barclays Global Investors administrava no meio do ano ao redor de 1,5 trilhão de dólares em fundos, enquanto a BlackRock tinha 2,8 trilhões de dólares sob gestão na mesma época.

(Por Denise Luna e Cesar Bianconi)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAPETROBRASSOCIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.