FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

BMW e EDP criam o maior corredor elétrico da América Latina

Com seis postos de recarga, é possível viajar do Rio a São Paulo em um carro elétrico

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2018 | 04h00

O Brasil terá, até o fim do ano, uma frota de apenas 10 mil carros elétricos e híbridos (modelos com bateria e motor a combustão), mas montadoras e empresas do setor de energia querem provar que esse tipo de veículo é viável no País e pode aumentar sua participação no mercado local, a exemplo do que ocorre em países da Europa e na China.

+ Governo lança Rota 2030 com abatimento de 10,2% de impostos para montadoras

Na segunda-feira, a fabricante de carros de luxo BMW e a empresa do setor elétrico EDP, com apoio da rede Ipiranga, vão inaugurar seis postos de recarga na Rodovia Presidente Dutra, que interliga as duas maiores capitais do País – São Paulo e Rio de Janeiro. A ação recebeu R$ 1 milhão em investimentos.

+ Mercosul propõe reduzir taxas para carros da UE

“É o maior corredor elétrico da América Latina”, diz o presidente da BMW do Brasil, Helder Boavida. Segundo ele, com três pontos de recarga em cada um dos sentidos da rodovia, a uma distância de 120 quilômetros cada, os postos possibilitam “uma viagem tranquila” pelos 430 km entre as cidades, sem risco de desabastecimento.

O segundo maior trecho com postos de recarga na região está no Uruguai, numa extensão de 310 km. São Paulo já tem um “corredor elétrico” entre a capital e Campinas, com dois postos na Rodovia dos Bandeirantes e na Via Anhanguera. Outro projeto semelhante deve ser feito entre cidades de Santa Catarina e do Paraná.

+ Venda de veículos cresce 14,4% no 1º semestre, aponta Fenabrave

O presidente da EDP Brasil, Miguel Setas, afirma que “o objetivo do corredor é divulgar a tecnologia, permitir que os consumidores percebam as vantagens (do carro elétrico)”. Ele e Boavida fizeram nesta quarta-feira, 18, o trajeto do Rio a São Paulo com um modelo BMW i3, que tem um pequeno motor a combustão que auxilia na recarga das baterias. A autonomia do modelo, que custa R$ 200 mil, varia de 180 a 210 quilômetros.

“Fizemos o trecho em cerca de seis horas, com três paradas para abastecer”, informa Boavida. São necessários cerca de 25 minutos para completar 80% da carga elétrica. O custo, diz ele, equivaleria a um quarto do que seria gasto com um carro a combustão”.

Até o fim do ano, qualquer tipo de carro elétrico poderá ter a bateria carregada nos postos gratuitamente. A partir de 2019, as empresas vão avaliar os preços a serem cobrados. Com esses seis novos pontos, a BMW soma cem postos de recarga em todo o País feitos em parceria com diversas empresas. Outras empresas, como a BYD, também tem postos próprios. 

Rota. O decreto assinado pelo presidente Michel Temer no dia 6, junto com o anúncio do programa Rota 2030, o novo regime automotivo do País, prevê a redução do IPI de modelos elétricos e híbridos de 25% para 7% a 20%. A tabela com as alíquotas para cada categoria de veículo ainda não está pronta, mas fabricantes já demonstram desapontamentos.

“A medida leva em conta, por exemplo, o peso do veículo e, como a bateria equivale a metade do peso do carro, não será muito favorecido pelo IPI menor, embora a redução é sempre importante”, diz Adalberto Maluf, diretor da BYD, fabricante de caminhões e ônibus elétricos e importadora de automóveis.

Ele cita que, para obter o porcentual mais baixo, de 7%, o carro precisa pesar no máximo 1,4 mil quilos. “Nenhum automóvel à venda no País atualmente atende essa exigência”. O minicarro Twizy, da Renault, é classificado como quadriciclo, diz.

No ano passado, dos 3.296 veículos híbridos e elétricos vendidos no País, somente 60 eram 100% movidos a eletricidade. Neste ano, foram vendidas até junho 1.944 unidades, a grande maioria também de híbridos.

Mais conteúdo sobre:
carro elétricoBMWEdp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.