BNDES aprova financiamento de R$ 1,1 bi para refinaria no RS

Valor será destinado à implantação de uma nova unidade de produção que fará o processamento de diesel com baixo teor de enxofre

Kelly Lima, da Agência Estado,

27 de julho de 2011 | 15h25

O BNDES aprovou financiamento de R$ 1,1 bilhão para a implantação de uma nova unidade de produção da Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas (RS). Segundo nota enviada à imprensa, a unidade será destinada ao processamento de diesel com baixo teor de enxofre. O projeto integra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e prevê ainda a implantação de sistemas e instalações auxiliares no parque industrial da refinaria, pertencente à Petrobrás. Segundo o BNDES o investimento total é de R$ 1,6 bilhão.

O objetivo do empreendimento é a adequação dos combustíveis a padrões internacionais de qualidade, com base em características especificadas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) e de acordo com o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve). Esse programa determina a comercialização, a partir de 2013, de óleo diesel com teor máximo de enxofre de 10 ppm (partes por milhão). A não implantação do projeto significaria a necessidade de abastecimento por meio de importações.

Para o processamento de diesel hidrotratado com teor de enxofre reduzido serão construídas uma nova unidade de hidrotratamento de correntes de diesel (UHDT) e uma nova unidade de geração de hidrogênio (UGH). A implantação desses mecanismos de tratamento mais refinados permitirá garantir o fornecimento de um produto com menor grau de impureza. O hidrotratamento permite a eliminação de contaminantes, juntamente com um catalisador.

A implantação das duas novas unidades (UHDT e UGH) será acompanhada, necessariamente, por uma série de alterações e modificações em instalações pré-existentes, conhecidas como off-site, fundamentais para o desenvolvimento de todo o processo.

Durante a execução do projeto, deverão ser gerados cerca de seis mil empregos diretos. Estima-se que, para cada emprego direto, sejam criados quatro empregos indiretos, abrindo novas oportunidades de geração de renda. Entre os impactos sociais e regionais positivos, destaca-se ainda a qualificação de trabalhadores no Estado do Rio Grande do Sul.

De acordo com o Plano de Negócios da Petrobrás para o período 2011-2015, as refinarias da companhia receberão em cinco anos investimentos de US$ 16 bilhões em modernização, principalmente para se adaptar às novas exigências de redução de enxofre no diesel. A companhia já vem adotando sistematicamente esta redução, trazendo o nível de 2,422 mil partes por milhão verificadas como média no país em 2006, para a média atual em torno de 1,5 mil. Entre 2015 e 2020 a média deverá chegar a 231 partes por milhão (ppm), numa redução total de 15% ao ano desde o início do programa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.