BNDES avalia como 'bastante positiva' aliança da Oi

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou no início da noite uma nota considerando "bastante positiva uma eventual aliança da Oi com a Portugal Telecom", conforme os termos anunciados hoje pelas duas companhias. A empresa de participações do banco, BNDESPar, junto com os fundos de pensão Previ, Petros e Funcef, detêm hoje 49,9% da holding Telemar Participações. O acordo divulgado hoje prevê a venda de 10% dessa fatia à operadora portuguesa.

IRANY TEREZA, Agencia Estado

28 de julho de 2010 | 19h37

"A iniciativa garante que os pressupostos da reestruturação societária apoiada pelo BNDES em 2008 serão integralmente mantidos. Ou seja, a empresa continuará a ser uma companhia de telecomunicações com controle brasileiro, capaz de competir com eficiência no País e ocupar espaços também no mercado internacional", diz a nota do BNDES.

Além da parcela dos fundos e da BNDESPar, a Portugal Telecom entrará indiretamente na Oi, comprando participação acionária na AG Telcom e La Fonte Tel, controladores da Telemar Participações. Ainda não foi divulgado quais serão as vendas individuais de BNDESPar e dos fundos.

O acordo de acionistas prevê que somente quem detém, no mínimo, 10% do capital pode indicar representante para o Conselho de Administração da empresa. Na nota, o banco ressalta que "independentemente do tamanho da participação do BNDES na companhia, a aliança (PT/Oi) não altera os direitos que o banco possui atualmente como acionista da Oi".

"A concretização do memorando de entendimentos possibilitará que os objetivos sejam atingidos de forma mais rápida e eficiente, incrementando a competição do setor e beneficiando também os consumidores brasileiros. O acordo abre caminho para a internacionalização da companhia, um dos objetivos de seu plano de negócios, e melhora sua estrutura de capital, permitindo a continuidade e expansão de seus investimentos", diz o texto.

Tudo o que sabemos sobre:
telefoniaOiPortugal TelecomBNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.