BNDES desembolsa R$ 153,6 bilhões no ano até novembro, alta de 31%

Desempenho do banco supera estimativa de Coutinho para 2010; em nota, banco atribui desempenho à capitalização da Petrobrás

Alexandre Rodrigues, da Agência Estado,

27 de dezembro de 2010 | 16h57

Os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) somaram R$ 153,6 bilhões entre janeiro e novembro desse ano, alta de 31% em relação ao mesmo período do ano passado. A informação foi divulgada nesta segunda-feira, 27, pelo banco, em nota. Só em novembro, o BNDES liberou R$ 12,7 bilhões em crédito, 16% a mais do que no mesmo mês em 2009.

O desempenho do banco em novembro superou a estimativa do presidente do BNDES, Luciano Coutinho, de desembolso total para o ano, configurando um novo recorde. Em todo o ano passado, o BNDES liberou R$ 137 bilhões. Este ano, apesar da expectativa de redução do tamanho da influência do banco na economia, Coutinho havia estimado um desembolso total de R$ 146 bilhões.

"O desempenho acumulado dos primeiros onze meses do ano foi influenciado pela operação de capitalização da Petrobrás, realizada em setembro último", justifica a nota do banco. Numa indicação de manutenção do patamar alto de desembolsos em 2011, as aprovações do BNDES somaram R$ 174,1 bilhões entre janeiro e novembro. As consultas somaram R$ 238,4 bilhões no período.

Sem considerar a operação da Petrobrás, os desembolsos do BNDES até novembro somam R$ 128,8 bilhões, crescimento de 10% em relação ao mesmo período de 2010. "Esse resultado permite projetar para todo o ano de 2010 desembolsos da ordem de R$ 140 bilhões, ligeiramente superiores ao desempenho do ano passado", informou o banco.

O BNDES destacou que as liberações para micro, pequenas e médias empresas atingiram recorde de R$ 41,1 bilhões até novembro, elevando a participação desse segmento para 27% do total de desembolsos do banco e quase dobrando o montante destinado no ano passado. O número de operações com pequenas empresas também foi recorde: 501,3 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.