BNDES deve superar meta de desembolsos de R$130 bi em 2010

No primeiro bimestre, o BNDES liberou R$ 16 bilhões, contra cerca de R$ 9,4 bilhões no acumulado do mesmo período do ano passado

Reuters,

26 de março de 2010 | 15h17

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve superar meta de desembolsos deste ano, de R$ 130 bilhões, afirmou o vice-presidente da instituição, Armando Mariante. O executivo disse a Reuters que os dados do começo do ano apontam para empréstimos esse ano de até R$ 140 bilhões.

 

"A nossa demanda continua forte e, provavelmente, vamos superar os R$ 130 bilhões, entre R$ 130 bilhões e R$ 140 bilhões", disse Mariante durante reunião da cúpula do banco sobre o Fundo Amazônia. "A infra-estrutura continua muito forte, máquinas e equipamentos também, inclusive para as exportações. O Brasil mudou de escala", acrescentou o executivo.

 

No primeiro bimestre de 2010, o BNDES liberou R$ 16 bilhões, contra cerca de R$ 9,4 bilhões no acumulado do mesmo período do ano passado.

 

Em 2009, o governo federal precisou capitalizar o banco para enfrentar a escassez de crédito imposta pela crise global. No ano passado, os empréstimos do banco bateram recorde ao atingirem cerca de R$ 137,4 bilhões. "Esse ano talvez seja igual ou um pouco menor", destacou Marianti.

 

O comentário de Mariante acontece depois que a instituição de fomento divulgou em 17 de março que "a expectativa é que o banco encerre 2010 com liberações inferiores às registradas no ano passado". Segundo o executivo, a demanda por pedidos de financiamentos do banco está muito aquecida e o mercado bancário privado ainda não voltou com toda a força na concessão de créditos no pós-crise.

 

"Não voltou ao normal, mas está voltando bem. Já dá para começar a pensar em tirar a nossa presença. O mercado privado está voltando e com uma certa aversão a risco. Há um cuidado maior do que antes da crise, o que é bom".

 

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Tudo o que sabemos sobre:
BNDEScrédito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.