BNDES e fundos ainda discutem venda de participação na Oi

Após negócio, estes acionistas passarão a ter 39,9% da empresa

Sabrina Valle e Irany Tereza, da Agência Estado,

28 de julho de 2010 | 17h16

O BNDES e os fundos de pensão (Previ, Petros e Funcef) ainda estão negociando entre si quanto que cada um venderá da Telemar Participações à Portugal Telecom (PT). A informação foi dada à Agência Estado por Otávio Azevedo, presidente da holding Andrade Gutierrez - uma das controladoras da Telemar Participações. Hoje, BNDESPar e fundos têm, juntos, 49,9%. Pelo acordo fechado entre a PT e a controladora da Oi, eles passarão a ter 39,9%. A diferença de dez pontos percentuais será usada pela PT para entrar na empresa brasileira.

Segundo Azevedo, uma das controladoras da Telemar Participações, os fundos e o BNDES apenas deram sinal verde para a operação, mas ainda precisam negociar entre si e reunir seus conselhos para decidir quem sai e com quanto. Azevedo explicou que toda a negociação entre Oi e PT começou na terça-feira dia 20 e, por isso, os detalhes da operação não foram fechados.

Na apresentação divulgada ao mercado português, a PT previa que o BNDESPar ficaria com 16,8% e os fundos, com 23,1%. O executivo da Andrade Gutierrez negou que essas fatias estejam fechadas e afirmou que a PT deve ter utilizado as participações atuais em sua apresentação.

Segundo Azevedo, fundos e BNDES têm o direito, ainda, de acompanhar o aumento de capital da Telemar Participações, Tele Norte e Leste Participações e na Telemar Norte Leste. O aumento de capital poderá chegar a um valor aproximado de R$ 12 bilhões, com a emissão de ações ordinárias e preferenciais, a serem subscritas pelos atuais acionistas e pela PT. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.