BNDES: fusão ETH/Brenco está em linha com a PDP

O BNDES divulgou nota ressaltando que a fusão entre a ETH Bioenergia e a Brenco, anunciada hoje, está "em linha com a Política de Desenvolvimento Produtivo, do governo federal, que tem o etanol como segmento prioritário e no qual o país possui competência e liderança reconhecidas internacionalmente".

KELLY LIMA, Agencia Estado

18 de fevereiro de 2010 | 19h35

De acordo com a nota, o processo de fusão congregará um total de nove usinas, sete das quais já contam com apoio do BNDES para sua implantação (projetos greenfield). A nova companhia terá capacidade de moagem de cerca de 40 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por ano, produção anual de 3 bilhões de litros de etanol, além de mais de 2.500 GWh de energia.

No acordo firmado entre a ETH e a Brenco, os acionistas de ambas as empresas se comprometeram a aportar novos recursos no empreendimento. Após a fusão, os antigos sócios da Brenco terão 35% do capital da nova empresa, ficando a participação da BNDESPar em cerca de 16%. O BNDES espera que a nova companhia realize uma oferta pública inicial de ações na BM&F Bovespa nos próximos anos.

O BNDES informou ainda que prevê a continuidade do crescimento da demanda de etanol nos próximos anos, puxada, sobretudo, pela venda de carros da tecnologia flex fuel. Atualmente, apenas cerca de 25% da frota nacional é de carros bicombustível, sendo que a venda de novos veículos nessa tecnologia supera 90%.

Tudo o que sabemos sobre:
etanol, Brenco, ETH Bioenergia, BNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.