LUCIA SEBE/SECOM MG
LUCIA SEBE/SECOM MG

BNDES libera R$ 508 milhões para Confins

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou empréstimo à BH Airport, concessionária do Aeroporto de Confins, após quatro

Vinicius Neder e Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

21 Junho 2018 | 04h00

RIO E SÃO PAULO- O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou um empréstimo de R$ 508 milhões à BH Airport, concessionária do Aeroporto de Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte, depois de quatro anos de análise e idas e vindas nas condições do contrato de concessão. 

A BH Airport, controlado pelo consórcio formado pela CCR e pela operadora Zürich Airport International, administra o terminal desde 2014. Confins entrou na primeira fase do Programa de Investimentos em Logística (PIL), no primeiro governo Dilma Rousseff. O leilão ocorreu em novembro de 2013.

+ BNDES publica estudo para mostrar que não teve culpa na greve dos caminhoneiros

Houve atrasos em obras de responsabilidade da Infraero. Em dezembro, os sócios fizeram um aumento de capital de R$ 566 milhões, para fazer frente às obrigações geradas pelos “descumprimentos” do governo relacionados ao contrato com a concessionária, afirmou na época um executivo da CCR. 

A reabertura para grandes voos comerciais no Aeroporto de Pampulha, na região central da capital mineira, também alteraria as condições da concessão de Confins, que fica a 40 quilômetros do centro da cidade.

Segundo Adriano Pinho, presidente da BH Airport, o financiamento do BNDES, de 208 meses, incorporou o “risco Pampulha”, com mudanças “inesperadas” em relação às garantias. Depois de ter reavaliado o projeto e considerado os efeitos da potencial operação de voos comerciais regulares em Pampulha, o banco passou a exigir que as garantias fossem dos acionistas.

Parte do financiamento será destinada a quitar o empréstimo-ponte de R$ 406 milhões concedido pelo banco em 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.