Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

BNDES não pode contestar eleição de pai dos Batistas à presidência da JBS, diz Rabello

Em entrevista, o comandante do banco de fomento afirma que presença de representante do BNDES no colegiado deu quórum para a reunião que alçou Zeca Mineiro à liderança do frigorífico

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2017 | 13h46

RIO - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) seguirá a decisão do conselho de administração do frigorífico JBS, que, em reunião realizada no sábado, 16, escolheu o fundador da empresa, José Batista Sobrinho, para terminar o mandato de CEO no lugar de Wesley Batista, preso semana passada, afirmou há pouco o presidente da instituição de fomento, Paulo Rabello de Castro. 

Segundo Rabello, o banco não poderá contestar a decisão, como inicialmente avaliado, porque a representante do BNDES no colegiado deu quórum para a reunião.

Paulo Rabello ressaltou que a instituição segue empenhada em melhorar a governança corporativa da JBS e mantém a decisão de exigir a realização, o quanto antes, da assembleia geral extraordinária de acionistas (AGE) convocada pelo banco. 

O BNDES pediu a realização da AGE no mês passado para votar a proposta que a JBS entre com uma ação de responsabilidade contra os controladores e administradores, o que levaria ao afastamento da família Batista.

Para Rabello, a realização da reunião do conselho da JBS no sábado, na "calada da noite", é um problema da "má governança recorrente da empresa". "Tudo o que a empresa faz e tem feito é uma demonstração do quão correto está o BNDES em exigir melhoria da governança", afirmou Rabello, em entrevista ao Estadão/Broadcast, após informar que o comparecimento da conselheira Claudia de Azeredo Santos, única representante do BNDES no conselho da JBS (a outra cadeira está vaga), deu quórum e tornou a reunião legal.

++ JBS diz que reunião do conselho foi convocada com 2 dias de antecedência

"O BNDES continua aguardando que a governança melhore. Como a figura do fundador, mais que respeitável, se presume completamente interina, isso não afeta nada", afirmou Rabello.

A instituição continua exigindo o pedido, feito à JBS, de que o conselho da companhia contratasse uma consultoria para escolher novos executivos para a diretoria.

"Colocar o sr. Batista pai não acrescenta nem retira nenhum fato em relação à acefalia da empresa. O fato de colocar lá um respeitável senhor não modifica a avaliação de que estamos diante de um processo de governança muito pobre. Trata-se de um gigante financeiro e um anão em governança", disse Rabello.

++ Acordo de renegociação de dívida com a JBS está mantido, diz executivo do BB

Por isso, o BNDES mantém o foco na realização da assembleia. "Esperamos ter essa AGE reconvocada no prazo mais rápido o possível", disse o presidente do BNDES, completando que o banco está estudando recorrer à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) sobre o conflito de interesses na assembleia.

Dias antes da data marcada para a AGE, em 1º de setembro, o colegiado da CVM decidiu que o conflito de interesses alegado pelo BNDES não justificava o adiamento da reunião de acionistas. Para Rabello, a indicação de José Batista Sobrinho como CEO confirmou o conflito de interesses. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.