Reuters
Reuters

Boeing 787 pega fogo de novo; ações da empresa caem 4,7%

Avião estava no pátio do Aeroporto de Londres; aeronave teve problemas com outras companhias há alguns meses e ficou três meses no chão

Fernando Nakagawa, correspondente,

12 de julho de 2013 | 21h22

O aeroporto de Heathrow, em Londres, foi fechado nesta sexta-feira para pousos e decolagens depois que uma aeronave da Ethiopian Airlines sofreu um princípio de incêndio. Trata-se de mais um caso envolvendo a aeronave Boeing 787 Dreamliner, a mesma que teve problemas com outras companhias há alguns meses e ficou três meses no chão até que as autoridades americanas atestassem sua segurança. 

A Ethiopian Airlines foi a primeira empresa do mundo a retomar os voos com os novos Dreamliner após a autorização das autoridades. A companhia africana fez a reestreia do avião em operação comercial no dia 27 de abril. A retomada dos voos do 787 ocorreu após as autoridades americanas terem liberado a operação do avião com um novo projeto para o sistema de baterias. Isso abriu a possibilidade de instalação dos novos equipamentos e a consequente retomada dos voos.

Os problemas do 787 - a grande aposta da Boeing para os próximos anos - começaram no início de janeiro, quando um avião da japonesa ANA sofreu incêndio quando estava estacionado no pátio do aeroporto de Boston, nos Estados Unidos. Assim como nesta sexta-feira, o avião estava estacionado e vazio.

Outro incidente com a mesma ANA aconteceu dias depois, quando o cheiro de fumaça levou a tripulação de um voo que usava a mesma aeronave a realizar um pouso de emergência. A americana United reportou problema semelhante no mesmo período.

Ainda nesta sexta, um segundo avião do modelo Boeing 787 apresentou problemas. A segunda ocorrência foi registrada pela companhia aérea britânica Thomson Airways, que registrou "problema técnico" durante um voo entre Manchester, na Inglaterra, e Orlando, nos Estados Unidos. Após a ocorrência, a aeronave retornou ao Reino Unido e o avião pousou no terminal de Manchester sem outros incidentes.

Um porta-voz da companhia aérea disse à emissora de televisão britânica ITV que o avião, com 126 passageiros, retornou ao Reino Unido como uma medida de precaução. "A Thomson Airways confirma que o voo TOM 126 entre Manchester e o aeroporto de Sanford, na Flórida, teve um problema técnico e a aeronave retornou ao Aeroporto de Manchester como medida de precaução", informou a companhia à emissora. Uma equipe de engenheiros inspeciona a situação da aeronave.

Em baixa. Os novos incidentes causaram uma queda de 4,7% nas ações da Boeing em Wall Street. A desvalorização pode ser explicada pelo fato de o futuro da Boeing depender muito do 787 Dreamliner. A empresa tem hoje cerca de 800 encomendas para entregar. Segundo especialistas, o projeto inflaria as receitas da companhia ao longo das nas próximas duas décadas. Os problemas técnicos, no entanto, podem minar esse êxito. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS 

Tudo o que sabemos sobre:
Boeing 787Aeroporto de Londres

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.