Justin Lane / EFE
Justin Lane / EFE

Boeing anuncia atualização de software de aeronaves 737 Max

Após dois acidentes em que mais de 350 pessoas morreram, empresa realizou mudanças em seu jato comercial

Fabiana Holtz, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2019 | 04h00

A Boeing informou na quarta-feira, 27, que reprogramou o software de sua aeronave 737 Max para impedir que dados errados ativem o sistema de “anti-stall”. Acredita-se que ele tenha forçado o nariz da aeronave para baixo em pelo menos um dos acidentes aéreos com os modelos. Nos últimos cinco meses, foram dois eventos fatais, que resultaram na morte de mais de 350 pessoas, na Indonésia e na Etiópia.

A fabricante norte-americana afirmou que o sistema passaria a exigir o comando apenas uma vez após detectar o problema, dando aos pilotos mais controle sobre a aeronave. Por isso, a companhia também anunciou mudanças no treinamento das equipes de operação dos aviões da linha 737 Max.

De acordo com o engenheiro Mike Sinnett, vice-presidente de desenvolvimento de novos produtos da Boeing Aviação Comercial, o sistema de controle de voo ganhará medidas adicionais de proteção para o caso de leituras erradas dos sensores de ângulo. “Estamos fazendo todos os testes e atualizações, mas o retorno das operações ainda depende das autoridades. Continuamos a trabalhar com a FAA (Administração Federal de Aviação dos EUA) e outras agências reguladoras na certificação da atualização de software”, disse Sinnett.

Segundo ele, o software foi submetido a centenas de horas de análise, testes de laboratório, verificação em um simulador, além de dois voos de teste, incluindo um de certificação em voo com representantes da FAA a bordo como observadores.

No Brasil, a Gol é a única companhia aérea a voar com o modelo, mas suspendeu a operação dos aviões que voavam de Brasília e Fortaleza para as cidades de Miami e Orlando. Companhias de todo o mundo, logo depois do segundo acidente sem sobreviventes, ordenaram que os aviões do modelo parassem de voar. /COM REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Boeingaviaçãoacidente aéreo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.