Boeing e Airbus conquistam encomendas em feira de aviação

A europeia Airbus conquistou 14,4 bilhões de dólares em encomendas, ultrapassando os 9,3 bilhões obtidos pela rival norte-americana Boeing no primeiro dia da Paris Air Show, onde o humor otimista reinou.

MATTHIAS BLAMONT E KYLE PETERSON, REUTERS

20 de junho de 2011 | 19h08

A Airbus dominou as encomendas de aviões com um único corredor, maior segmento do mercado de aeronaves, atraindo companhias aéreas com o A320neo, da bem-sucedida família A320, cujo consumo de energia é mais eficiente.

Enquanto isso, a Boeing continua sem decidir se lança uma versão totalmente nova de seu 737 ou se melhora o modelo já existente.

Mas a Boeing teve mais encomendas que a Airbus no mercado de aeronaves de fuselagem larga, que são mais caras, incluindo uma nova versão de seu jato mais conhecido, o 747.

"O volume de encomendas hoje foi grande, evidenciando a recuperação no mercado de aeronaves comerciais", afirmou à Reuters durante a feira o analista e diretor administrativo da EarlyBirdCapital, Alex Hamilton.

A Airbus acredita estar levando vantagem com o A320neo, cujo motor mais eficiente poupa às companhias aéreas 15 por cento dos custos em combustível, segundo a companhia.

O presidente-executivo da fabricante de motores Pratt & Whitney, David Hess, disse esperar uma demanda "assombrosa" pelo A320neo, enquanto o ministro responsável pelo setor de aviação civil da Alemanha, Peter Hintze, o descreveu como um "trunfo".

Analistas esperam que aviões de um único corredor, o principal suporte de um mercado que movimenta valores cada vez mais altos, constituam um importante segmento de combate por encomendas entre Airbus e Boeing na feira bienal.

A Airbus conquistou encomendas de 60 aeronaves A320 do braço de leasing e financiamento de aeronaves da General Electric e 30 da companhia aérea escandinava SAS, totalizando 7,7 bilhões de dólares em preços de tabela.

A Air Lease Corp assinou um memorando de entendimento para adquirir 36 aviões da família do A320neo, e a Qatar Airways também disse que espera concluir um acordo este semana para comprar aeronaves A320.

A Boeing afirmou que pode perder parte da clientela enquanto decide o futuro do 737. A empresa disse no domingo que decidiria até o fim do ano se iria renovar o 737 com novos motores a partir de 2016, como fez a Airbus, ou construir um novo jato em 2019.

A Boeing ficou em um patamar superior ao da Airbus em outros tamanhos de aviões, obtendo 9,3 bilhões de dólares em encomendas, incluindo 17 da última versão do 747 de clientes não identificados, assim como cinco 777s e quatro 787-9 Dreamliners da Air Lease Corp.

A Boeing também identificou a companhia aérea Qatar Airways como o cliente por trás de uma encomenda de seis 777-300ERs no valor de 1,7 bilhão de dólares no preço de tabela, revelada anteriormente.

Tudo o que sabemos sobre:
AEREASAIRSHOWBOEINGAIRBUS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.