Boeing e Airbus unem-se contra emissões de companhias aéreas

A Boeing juntou-se à Airbus no debate sobre a redução de emissões de companhias aéreas europeias, nesta quinta-feira, ao mesmo tempo em que se recusou a negociar um acordo com a sua arquirrival sobre subsídios de aeronaves.

REUTERS

22 de março de 2012 | 16h32

O presidente-executivo da Boeing juntou-se a um coro de críticas, liderado pela Airbus, contra o Esquema de Comercialização de Emissões da União Europeia (ETS, na sigla em inglês), que vai cobrar das companhias aéreas pelas emissões, algo que Bruxelas acredita ser necessário para ajudar a reverter mudanças climáticas.

"Não se trata de Boeing e Airbus, é sobre o que é melhor para nossos clientes e como estamos seguindo para envolver toda a indústria a fim de reduzir sua pegada ambiental", destacou Jim Albaugh à Reuters.

Albaugh disse que a Boeing não tinha se beneficiado do que a Airbus descreveu como atraso na aprovação do governo chinês para comprar seus aviões, como resultado da redução de emissões, mas afirmou que a Boeing espera vender um número significativo de 737 MAX e outros modelos para a China.

Ele rejeitou sugestões europeias de que os governos apóiem a Airbus e que a Boeing deveria negociar um acordo sobre subsídios de aeronaves, a maior disputa comercial do mundo, na Organização Mundial do Comércio, que já dura oito anos.

"Não estou certo de que estamos interessados em negociar um acordo, o que nos interessa é que todas as partes atuem sob as mesmas regras da OMC", disse.

(Por Tim Hephner)

Tudo o que sabemos sobre:
AEREASBOEINGAIRBUSLEGAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.